18/10/2012

Aspargos!


Aspargos são deliciosos! Quer sejam grelhados, assados, levemente cozidos, como ingredientes de risotos e outros pratos, sempre trazem um sabor a mais. Minha forma favorita de fazê-los é levemente cozidos, quase al dente, aqui servidos enrolados em uma fatia de presunto de Parma e com um pouco de sal gris por cima.

À receita!

Ingredientes:
Aspargos (1 maço)
Sal de cozinha
Azeite
Sal gris

Modo de preparar:
1) Corte as pontas duras de baixo dos aspargos e lave-os em água corrente.
2) Para preparar o cenário, coloque água suficiente para cobrir os aspargos em uma panela grande, uma colher de sopa de sal de cozinha e deixe ferver. Em um outro recipiente, coloque água em temperatura ambiente e bastante gelo, para deixá-la geladinha ao ponto de geladeira.
2) Quando a água atingir o ponto de fervura, coloque os aspargos e deixe-os cozinhando por cerca de 1 minuto e meio a dois, no máximo. Aspargos mais verdes, um pouco mais durinhos, precisam cozinhar um pouco mais do que os menos frescos.
3) Após o cozimento dos aspargos, escorra a água e vire-os em um outro recipiente contendo água fria e gelo. Esse passo da receita é fundamental, pois interrompe o cozimento do aspargo e o mantém firme no ponto certo.
4) Enrole uma fatia de presunto de parma no aspargo, da forma como quiser, corra um fio de azeite e decore com o sal gris à gosto.

Dica da Myrna: Se comprarem aspargos, façam-no logo! Fresco é melhor!


12/10/2012

Arroz de Siri


Ingredientes para 4 pessoas:

2x de arroz
1c chá de alho amassado com sal
água para cozinhar o arroz
1 cebola picada em cubos
4 tomates picados também
2 limões cravo
400g de carne de siri desfiada
1 maço de salsa ou coentro
1 vidro de leite de coco
1 fio de azeite de dendê
3cs de farinha de mandioca (eu usei a amarela)
3cs de parmesão ralado
algumas gotinhas de pimenta de cheiro, ou muitas...
azeite que baste
sal a gosto

Modo de fazer:
Faça primeiro o arroz em uma panela separada. Eu usei sal, alho, e um fio de azeite. Cada um tem seu jeito de fazer o arroz, mas o importante é que ele não fique muito cozido pois ainda vai ao forno no final para gratinar.

Em uma frigideira (que possa ir ao forno), refogue a cebola no azeite, acrescente o azeite de dendê e depois a carne de siri. Deixe refogar um pouco, adicione os tomates picados, o leite de coco, o coentro e o caldo dos limões. Se for usar o limão comum coloque apenas um pra não ficar muito ácido.
Misture o arroz já cozido, acerte o sal e a pimenta.

Cubra o arroz com a farinha de mandioca, ou se preferir farinha de rosca, salpique o queijo ralado e leve ao forno quente para gratinar.
Como acompanhamento nós fizemos uma verdura, no caso catalônia, refogada por pouco tempo em um fio de azeite, ficou ótimo!

20/06/2012

Idéias de cozinha - Subway tiles



Risotto de shitake



Um bom risotto, ao menos para mim, depende de duas variáveis, uma mais simples de ser controlada do que a outra: um bom caldo e ter a paciência de colocá-lo concha após concha sem parar de misturar.
Nesta receita o mais fácil, definitivamente, é o caldo!

Em homenagem à Beth, minha amiga das aulas de italiano, aqui vai uma receita de risotto rápida e muito simples de ser feita.

Ingredientes para 4 pessoas:
150g de shitake seco
1 litro e meio de água
1 cebola grande picada em cubos
2cs de manteiga
azeite que baste
200g de arroz arbório
1 taça de vinho branco seco
sal e pimenta do reino a gosto
3cs de queijo parmesão ralado

Modo de fazer:
Ferva a água, desligue o fogo e coloque os cogumelos de molho. Certamente eles irão boiar e, neste caso, uma boa dica é colocar um pratinho com algo pesado por cima para mantê-los no fundo. Deixe os cogumelos imersos na água pelo máximo de tempo que conseguir, eu esperei umas 3 ou 4 horas. Esprema os cogumelos com as mãos mas reserve a água pois este será o caldo que vamos usar. Muito simples, né?! Corte-os em tiras finas.

Em uma panela, coloque 1 colher de manteiga, um pouco de azeite e refogue a cebola até que fique transparente. Adicione o arroz, a taça de vinho e misture até que os líquidos sejam absorvidos. Acrescente os cogumelos. Aos poucos adicione o caldo, que dever ser mantido quente durante o processo. Agora uma confissão, eu assumo que coloco mais de uma concha de líquido por vez e que não fico misturando sem parar. A cremosidade do risoto depende deste esforço, mas nem sempre eu tenho a paciência necessária.

Bem, voltando ao prato, continue colocando o caldo e misturando até que o arroz fique macio. Um detalhe importante, risotto não é massa que precisa ser comido "al dente", mas isso não significa que ele deva ficar mole demais. Há um tempo atrás o Jamie Oliver deu uma boa dica, quando o risotto for colocado no prato ele deve escorrer e não ficar uma montanha de arroz, pra que isso ocorra é importante que um pouco do caldo (que já deve estar cremoso neste momento) permaneça. Para finalizar, acerte o sal, coloque a pimenta, adicione a outra colher de manteiga e o queijo ralado, misture e tampe a panela por alguns minutos.

Enfim, mangia che ti fa bene!



Ah, um detalhe importante, se o caldo acabar e o arroz ainda estiver duro, continue o processo com água quente, ninguém vai perceber...


Dica da Myrna:
Se você quiser uma versão mais leve, não use o queijo ralado. O prato ainda ficará saboroso, eu garanto!


08/06/2012

Bife Wellington

Diferentemente das demais postagens do Segredos, esta começa com o texto. O motivo disto é que eu queria contar a história de porquê chegamos até aqui.

Há algum tempo venho pensando com frequência em tentar fazer o bife Wellington e finalmente decidi encarar o desafio. Esta semana está sendo comemorado o Jubileu de 60 anos da Rainha Elisabeth II e o preparo de uma receita tradicional inglesa seria uma forma de nos sentirmos parte destas comemorações. Para quem não conhece ou não ouviu falar, este é um prato extremamente tradicional da culinária britânica criado em suposta homenagem ao Duque de Wellington, um dos heróis das guerras napoleônicas. Outras fontes dizem que não é nada disso, mas a história pouco me interessa. O fato é que o negócio é gostoso e isto é o que importa ao humilde escriba.

Enfim, comecei a procurar a receita e me deparei com dois vídeos do Gordon Ramsay preparando o prato (primeira e segunda partes). Ele ficou famoso por este prato e é considerado como o cozinheiro que prepara o melhor bife Wellington do mundo. Eu e Bibi tomamos todos os cuidados necessários, desde a escolha do corte de filé até a dos ingredientes e fomos de peito aberto.



O resultado final ficou muito gostoso, mas acho que essa é uma daquelas receitas que a gente precisa tentar fazer 10, 20, 200 vezes até acertarmos a quantidade exata dos ingredientes, o ponto da massa folhada e o sabor final. O próprio Gordon Ramsay, quando perguntado, disse que só fez o bife Wellington perfeito depois da milésima vez.

Ingredientes:
1 peça de filé mignon de cerca de 400 g
Mostarda amarela
10 fatias de presunto cru
300 gramas de cogumelos frescos
folhas de tomilho
50 g de castanhas de caju
Massa folhada
Sal e pimenta
1 gema de ovo para decorar a massa
Sal grosso para decorar a massa

Modo de preparar:
1) Tempere o filé com sal e pimenta, distribuindo o tempero igualmente por todo ele.
2) Aqueça uma frigideira e sele a carne em todas as suas superfícies, de modo a evitar que os sucos dela se percam.
3) Com um pincel, passe uma fina camada de mostarda amarela por toda a peça de filé, cobrindo-a por igual.
4) Leve os cogumelos frescos, o tomilho, as castanhas, sal e pimenta ao processador e bata tudo em forma de uma pasta.
5) Retire a pasta de cogumelhos e leve-a à frigideira na qual você preparou a carne e doure-a um pouco, deixando a água evaporar o máximo possível.
6) Sob uma tábua de madeira, disponha filme plástico e todas as fatias de presunto cru, de modo a formar uma cama de presunto.
7) Passe a pasta de cogumelos sobre o presunto cru em uma fina camada.
8) Coloque a peça de filé sobre o presunto/pasta de cogumelos, e role-os gentilmente de modo que o presunto e a pasta envolvam totalmente o filé, formando um tubo.
9) Sele bem com filme plástico, vedando o máximo possível, em forma de um rolo e leve à geladeira para descansar por cerca de 30 minutos.
10) Abra a massa folhada sobre a tábua e, retirando o filé embalado da geladeira, retire o filme plástico e disponha-o no centro da massa, enrolando-a novamente sobre o filé. Sele com filme plástico e deixe descansar por cerca de 30 minutos na geladeira.
11) Pré-aqueça o forno a 180 graus.
12) Retire a o rolo de massa/presunto/pasta de cogumelos/filé da geladeira e deixe descansar por uns 15 minutos. Durante este período, cubra toda a superfície da massa folhada com a gema de ovo e, ao final do processo, decore com sal grosso por cima de tudo.
13) Leve a massa ao forno e deixe assar por 40 minutos.

Acho que esta foi a receita mais trabalhosa que já fiz, mas fiquei muito animado a tentar repetir a dose novamente em breve. Apesar de complicada e com muitas etapas, com algum planejamento e organização fica tudo bem mais fácil. Logicamente que contar com a ajuda da Bibi foi fundamental para ter dado certo, afinal sou leigo no que tange o uso de massa folhada.

Caju amigo


Viciado em caju como sou, dia desses, indo ao Mocotó, resolvi pedir um caju amigo. Sabia que era um drinque que levava caju, mas não sabia o que me esperava, devo confessar. Era uma bomba de gostosura, gelada e docinha como o dia pedia e a comida também.

Depois fui à santíssima web pesquisar a respeito e descobri que ele é genuinamente paulistano, tendo sido criado em 1974 pelo barman do tradicional Pandoro. Imaginei que fosse algum drinque nordestino, mas me enganei feio. A receita original é com vodca, mas, vamos e venhamos, um drinque de caju, brasileiro, vai ser feito com vodca? Tem que ser com uma boa cachaça, né?! No Mocotó é com cachaça mesmo e fica uma delícia.

Modo de fazer:
2 cajus em calda
2 colheres de sopa da calda do caju em calda
1 dose de cachaça
Gelo a vontade

Modo de preparar:
Misture tudo numa coqueteleira e bata. Depois é só servir num copo tall com canudo e colher. Os pedaços do caju em calda ficam ainda mais gostosos com a cachaça.

05/06/2012

Idéias de Cozinha




Desire to inspire - Charles de Lisle

Tapenade



Sabe aquela noite em que você chega em casa com vontade de comer alguma coisa salgadinha, mas não tem nada de gostoso na geladeira. Pois então, foi assim na semana passada. A sorte é que sempre deixamos alguns ingredientes básicos disponíveis. Aqui em casa não podem faltar azeitonas, alcaparras e aliche. Os três duram muito tempo na geladeira e podem ser a salvação.

Infelizmente eu não anotei as quantidades (era tarde e a fome estava grande), mas essa é uma comidinha muito fácil de se fazer. A tapenade é tradicional do sul da frança e eles costumam servir de entrada sobre uma fatia de pão. Nós comemos com um pão que eu fiz outro dia usando a receita do pão de calabresa, mas sem o recheio, que substituímos por ervas secas. Ele pode ficar congelado por um bom tempo sem perder o sabor.

Ingredientes (quantidades aproximadas):
3x de azeitonas pretas sem caroço
3c de chá de alcaparras
4 filezinhos de aliche
pimenta do reino moída a gosto
azeite (se precisar, eu usei 1c de azeite de alho e ficou ótimo)

Modo de fazer:
É preciso apenas amassar os ingredientes, isso pode ser feito no processador, no pilão ou no liquidificador. Simples assim!


04/06/2012

Pa amb tomàquet



Desde o boom da gastronomia molecular e o sucesso do El Bulli, de Ferrán Adriá, a culinária espanhola tem sempre figurado entre as melhores do mundo. Na última lista da revista Restaurant Magazine, nada menos do que 3 dos 10 primeiros lugares eram espanhóis. Eu e a Bibi, no entanto, não gostamos muito da comida complicada de fazer e/ou saborear. Daí o pa amb tomàquet, um prato típico da culinária catalã, que é uma delícia para um lanche descompromissado e um bom vinho. Em tempo: fiz uma reinterpretação da receita original, explico qual e o porquê depois.

Ingredientes:
2 tomates maduros com cascas cortados em oito pedaços
1 dente de alho
1 pitada de sal
Pimenta a gosto
Pão italiano
Azeite

Modo de preparar:
1) Coloque os tomates, o alho, o sal e a pimenta no processador e bata grosseiramente;
2) Torre as fatias de pão italiano levemente ao forno, cobrindo-as com um fio fino de azeite;
3) Com os pães ainda quentes, disponha o tomate batido de modo a formar uma camada generosa sobre o pão.
4) Coma sem moderação.

Mea culpa do mestre cuca:
Na receita original, os tomates são esfregados sobre o pão, desprezando-se a casca, juntamente com o alho. Fica mais suave, é vero, mas eu não acho razoável não aproveitar tudo destes bons ingredientes!

Dica da Myrna: sirva com tinto de verano. Combinação matadora!

24/05/2012

Pimentões recheados com carne e menta



De uns tempos pra cá eu e o Gui andamos bem curiosos com relação a novos ingredientes. Eu sei que músculo de boi não é novidade pra quase ninguém, mas pra mim é!

Nunca fui muito fã. Achava a carne feia, o sabor não me agradava muito... Enfim, depois de alguns anos na cozinha me convenci de que não existe comida ruim, você é que pode não ter tido a chance de provar bem feita, ou ao menos de uma forma que te agrade. Com o músculo foi assim.

Parece brincadeira, mas a cada quinzena tenho tido que preparar 8kg de comida natural, sem sal e sem óleo para o Juca, nosso cão adoentado. E nessa brincadeira (!) comecei a cozinhar muitos quilos de músculo. E não é que a carne é boa! Só faltavam os temperos certos pra me convencer.
Aqui vai então a receita que definitivamente colocou o músculo de boi na minha vida. E olha que ele entrou pela porta de frente!

Ingredientes para 3 pessoas (ou 2 gulosas):
3 pimentões amarelos ou vermelhos
2x de arroz cru
5 cubos de músculo cozido - é bom que esteja quase desmanchando
500ml do caldo onde a carne foi cozida
2 dentes de alho bem picadinhos
1colher de chá de menta seca (este é o pulo do gato)
1 pitada de pimenta árabe
1 pitada de cominho em grãos
azeite para refogar e depois para servir
sal a gosto

Modo de fazer:
Refogue o alho no azeite, acrescente o arroz, o caldo da carne e o músculo desfiado.
Adicione os temperos e tampe para cozinhar. É importante que o fogo esteja bem baixo pois a chance do arroz grudar no fundo é enorme. Talvez seja preciso acrescentar um pouquinho de água. Atenção é essencial neste momento! Esse recheio fica um pouco grudento, mas a idéia é essa, caso contrário na hora de assar ele não ficaria dentro dos pimentões.
Vamos a eles então!
Corte a tampa dos pimentões e retire as sementes. Regue o interior dos pimentões com um fio de azeite e um pouco de sal. Recheie com a mistura de arroz e carne, tampe novamente e feche com vários palitos.

Leve ao forno alto virando de tempos em tempos até que os pimentões fiquem macios. Marquinhas de queimado são muito bem vindas!


Dica da Myrna:
Depois que cozinhar a carne, retire o caldo e deixe na geladeira de um dia pro outro. Toda a gordura irá se concentrar em cima, aí fica fácil de tirar.

20/05/2012

Grandma's fruit cake


Essa receita de bolo inglês é do livro Modern Classics 2 da Donna Hay, meu livro favorito já há alguns anos. Fizemos algumas alterações, mas nada (muito) comprometedor.

Ingredientes:
4x de frutas cristalizadas e passas. Tente comprar as frutas separadas e cortar em cubinhos, elas são bem melhores que as compradas já misturadas.
1x de amêndoas
3/4x de tâmaras picadas
3/4x de brandy
1 1/4x de açúcar mascavo
4 ovos
2 1/4x de farinha de trigo
1/4c de chá de bicarbonato
1c de chá de canela moída
1/2c de chá de pimenta da jamaica moída
2-3cs de brandy

Antes de continuarmos, vamos à verdade: Esquecemos de colocar as amêndoas, não tínhamos tâmaras em casa e usamos cachaça no lugar do brandy. Acho ainda que colocamos menos passas do que deveríamos... Mas deu certo mesmo assim!

Modo de fazer:
Comece colocando as frutas no brandy (ou na cachaça) pelo máximo de tempo que puder, pode ser de um dia para o outro ou mesmo por meia hora. Bata a manteiga e o açúcar até que fique uma mistura bem cremosa. Acrescente os ovos um a um, sempre batendo. Misture os outros ingredientes e coloque em duas formas de bolo inglês untadas. Leve ao forno baixo por mais ou menos 1h, a Donna Hay sugere 2h, mas não conseguimos esperar...

01/05/2012

Língua de boi: comi, gostei, fizemos, comemos e gostamos de novo.




Sempre fui tremendamente pudico no quesito carnes. De algum tempo para cá, movido pela curiosidade, temos ampliado os horizontes a novas possibilidades.

Há algum tempo atrás fomos a um restaurante, Le French Bazar, e lá eu comi língua pela primeira vez. Uma delícia! Na feira, hoje, achamos a língua limpa por um bom preço e resolvemos testar.

Ingredientes:
1 língua bovina limpa
2 latas de cerveja preta
1 cebola inteira com 2 cravos espetados
2 folhas de louro
1 colher de chá de pimenta preta em grãos
2 cenouras cortadas em rodelas
1 talo de aipo cortado em rodelas
Salsa e cebolinha
2 cebolas picadas
1 talo de alho poró
1 pimentão vermelho picado em pedaços pequenos
4 dentes de alho picados
150 g de bacon cortado em cubos
Óleo de canola
Sal a gosto

Modo de fazer:
1) Em uma panela de pressão, coloque a língua, a cebola com os cravos, o louro, o aipo, a pimenta, a salsa/cebolinha e cubra tudo com a cerveja preta, acertando o ponto do sal a gosto. Cozinhe por mais ou menos 45 minutos, até a carne ficar macia. Retire a carne e reserve o caldo.
2) Em uma cassarola, refogue com o óleo de canola a cebola picada, o alho, o alho poró e o pimentão. Quando as cebolas dourarem, acrescente a carne e refogue um pouco. Acrescente o caldo e deixe cozinhar um pouco para permitir que os sabores se apurem.
3) Retire a língua da panela e corte-a em fatias finas, de mais ou menos meio centímetro.
4) O caldo estará grosso e suculento. Bata-o no liqüidificador e leve novamente ao fogo para reduzir. Quando estiver no ponto ideal, despeje-o sobre a língua fatiada.

Dicas da Myrna:
1) Acrescentar um pouco de shoyu ao caldo pode ajudar no ponto do sal e a deixar a cor em um tom de marrom intenso que ajudará na apresentação do prato.
2) O acompanhamento ideal fica a seu critério. Aqui optamos por purê de batatas.
3) Esse tipo de comida pede vinho tinto!

26/04/2012

Penne com vôngole e ervilha torta


Ingredientes para 2 pessoas:
250g de penne cozido em água com sal
250g de vôngole cozido e sem a concha
200g de ervilha torta cortada na diagonal
1 cebola picada em cubos
1/2 pimentão vermelho picado também em cubos
1 dente de alho bem picadinho
azeite para refogar
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer:
Parece trapaça, mas é fácil mesmo.
Refogue todos os ingredientes no azeite e jogue o macarrão!
Simples assim!
Afinal hoje ainda é quinta e não ando com muito tempo...

22/04/2012

Bobó de Filhote



De uns tempos prá cá as comidas do norte e nordeste caíram nas graças dos grandes chefes e aficionados. A minha experiência e do Gui neste território, principalmente da comida de influência amazônica se resume às polpas de cupuaçú, açaí e bacuri, presentes da D. Maria do Carmo e à deliciosa comida de uma barraca que fica na feira da Benedito Calixto aos sábados. Assunto aliás que merece um post à parte.

Enfim, nesta semana novamente D. Maria do Carmo nos surpreendeu. Ela nos presenteou com um enorme isopor, vindo direto de Belém do Pará, lotado de filhote. Pra quem não sabe, o filhote é um peixe enorme, apesar do nome, que vive nos rios da bacia amazônica e do araguaia.

O que fazer, ou melhor, como fazer? Uma olhada na geladeira e aí está o resultado. Um delicioso bobó, feito na cara e coragem mas que rendeu bons momentos neste domingo chuvoso. Só faltou o coentro pra ficar perfeito.

Ingredientes pra 4 pessoas:
1kg de filhote limpo cortado em pedaços grandes
1 limão
1,2kg de mandioca amarela cozida com sal
2 cebolas
1 pimentão vermelho
1 vidro de leite do coco
1 cabeça de alho
uma boa pimenta - pode ser a que você mais gostar, ou tiver em casa...
azeite para refogar
um pingo de óleo de dendê
cheiro verde a gosto (Se eu tivesse em casa teria usado coentro)

Modo de fazer:
Em uma frigideira refogue as cebolas, o pimentão e o alho no azeite. Tempere o peixe com o limão e coloque na frigideira com muito cuidado para não quebrar. Tampe e deixe cozinhar até que ele esteja macio. Isso não vai demorar quase nada. Bata a mandioca cozida no liquidificador com um pouco da água do cozimento. É importante que a textura fique bem fininha, ou seja, tudo muito bem batido. Se for preciso, faça isso aos poucos.
Retire metade do refogado - sem o peixe, é claro - e bata também no liquidificador.
Coloque a mandioca e o refogado batidos em uma panela, pode ser de pedra, barro, ou em uma comum mesmo. Acrescente o leite de coco, o dendê, a pimenta, acerte o sal e por fim coloque o peixe cozido e o cheiro verde.
Não tem como isso ficar ruim. Aliás, modéstia às favas, ficou ótimo.

Dica da Myrna:
Se não encontrar o filhote, use qualquer outro peixe branco de rio.

01/04/2012

Frango com maçã verde

(Acreditem que fica bom, a foto não faz jus ao prato)
Ingredientes:
1 peito de frango sem osso
1 maçã verde picada em cubos
1 punhado de nozes, castanhas ou amêndoas
1cs de curry
1cs de açúcar mascavo
sal, alho e pimenta do reino
2cs de óleo de canola

Modo de fazer:
Tempere o frango com alho, sal e pimenta. Refogue usando o óleo de canola, se precisar, acrescente um pouquinho de água para não queimar a panela. Adicione o curry, o açúcar mascavo e a maçã. Deixe cozinhar com a panela tampada até que o frango fique bem macio. Neste momento, verifique o caldo, se estiver muito ralo destampe a panela para que seque um pouco. Confira o sal e pode se preparar para servir. Corte o peito em fatias na diagonal, cubra com o molho e decore com as castanhas e nozes.
O arroz branco é o melhor companheiro para este prato.


24/03/2012

Broinhas de fubá



Seção nostalgia num sábado a noite.
Com saudade da casa da avó onde os bolos eram assados no fogão à lenha, fui acometida por uma imensa vontade de comer broa de fubá. Saudade mesmo, daquelas que não se mata indo à padaria da esquina.
E tem coisa mais mineira do que isso - broa de fubá com café? Bem, talvez nossa relação com queijo...
Enfim, fui checar a dispensa e a quantidade do ingrediente principal era ridícula, mal dariam duas xícaras.
Nada de me abater, com um caderno recheado com as melhores receitas de mãe, avós, tias, primas e bisavós, eu havia de encontrar uma que usasse apenas duas xícaras de fubá.
Encontrei essa aqui, broinhas de fubá da tia Filhinha, uma prima querida da minha mãe que marcou a minha infância por ter uma casa em Rio Novo em que a qualquer hora que se chegasse havia um tacho de cobre com algum doce gostoso sendo feito.
Aí vai ela.

Ingredientes:
3x de leite
2x de farinha de trigo
2x de fubá
2x de açúcar
2cs de manteiga
1 pires de queijo mineiro ralado (sim, vocês leram certo, o pires era uma medida comum há um tempo atrás)
1 cs de fermento em pó
6 ovos

Modo de fazer:
Fazer um angu com o leite, a farinha, o fubá, o açúcar e a manteiga. Espere esfriar e só então acrescente os ovos, um a um, o queijo e o fermento. Na receita original ela manda polvilhar um tabuleiro com fubá e colocar as broinhas com a ajuda de uma concha. Como eu já não tinha mais fubá, coloquei em forminhas de cupcake. Elas não ficam tão bonitas, mas o gosto continua delicioso.
Agora é só fazer um café fresquinho e aproveitar!

Dica da Myrna:
Substitua uma parte do leite por leite de coco, e se quiser as broinhas mais leves, bata as claras antes de misturar ao angu.

07/03/2012

SPRW - La Marie


Novamente uma SPRW! Mais de 200 restaurantes dessa vez, para todos os gostos! E lá fomos eu e a Bibi novamente.

Fiz uma pré-seleção de alguns, mas logo que vi a lista, aos meus olhos saltou o La Marie. Fica numa esquina da Rua dos Pinheiros, próximo à Rebouças. Sempre passávamos por lá quando moramos em Pinheiros, mas nunca tivemos coragem de entrar. Eu, que havia namorado o restaurante na web durante muito tempo, sabia que os preços eram salgadinhos demais para nosso modesto bolso. Agora ele entra na SPRW e oferece um cardápio de cair e quebrar o queixo. E o melhor: a um preço que não paga nenhum dos pratos individuais do restaurante.

Bem, terça-feira brava, meio de semana, um dia depois de começar a SPRW, fomos nós. Reserva feita, chegamos lá pontualmente 15 minutos antes e fomos recebidos pelo dono da casa. Uma simpática moça nos atendeu, fizemos os pedidos e pronto. Agora era só correr para o abraço. E foi mesmo. Corremos para um abraço repleto de manteiga, ervas finas e sabores indizíveis. Só provando mesmo para saber.

Entrada: ostras gratinadas


Prato principal: Lagosta Toscana com Papardelle de Merlot


Sobremesa: mousse de chocolate

As imagens são do site do evento, não foram tiradas por nós. Não fazem jus ao que vivenciamos e experimentamos ali. Asseguro-lhes uma coisa, foi a primeira visita de outras muitas num futuro próximo. Começamos a juntar o dinheirinho para voltar lá ontem mesmo.

11/02/2012

Tinto de verano


Um dia tórrido e tépido do verão paulistano, eu, Bibi e meu amigo gaúcho-acreano Odílson fomos a um delicioso restaurante espanhol, ou como eles próprios se entitulam, um "boteco a madrilenha", perdido nos idos de Santo Amaro. Chama-se Maripili o lugar. Tenho tido o hábito de chafurdar a internet a procura de informações sobre restaurantes por aqui e acha-se de tudo. O site do restaurante fala por si e define claramente o que esperar dele. Sucinto, honesto e direto ao ponto.

Bom, chegando lá, entre um belisco e outro, a Bibi resolveu pedir algo para beber e, na carta de bebidas, figurava o tal tinto de verano. Olhar desconfiado, cabeça saindo fumaça, chamou o garçom e perguntou o que era. Como tudo, resposta curta e grossa, um drinque de vinho tinto com suco de limão, refrescante e bom para o calor. O fim da frase ditou a regra e ela pediu. Veio o drinque, foi sorvido, seguiu-se de outro e, só não veio o terceiro pois o tempo era exíguo. Nada impediu que replicássemos a receita em casa depois.

Ingredientes:
Vinho tinto
1 lata de Schweppes light
Um limão siciliano cortado em rodelas
Gelo

Modo de fazer:
Misture cerca de 2/3 do copo de vinho tinto com 1/3 do copo de Schweppes light, coloque a fatia de limão e o gelo por cima.

Modo de usar:
Beba copiosamente, faça de novo e beba copiosamente. Repita a operação até acabarem os ingredientes ou perder a consciência. É uma delícia!

21/01/2012

Sorvete de cupuaçu com chocolate



O Gui tem uma paciente muito gentil (muito mesmo!), que mora em Belém e adora nos mimar. De tempos em tempos ele chega em casa com um enorme isopor cheio de delícias do norte. Uma que nunca falta é a polpa de cupuaçu, um dos meus sabores favoritos. A polpa que a D. Maria do Carmo traz é mais gostosa e menos processada do que a que encontramos por aqui. Assim fica fácil acertar a receita!

Ingredientes:
300g de polpa de cupuaçu
2x de açúcar
400ml de creme de leite fresco
200g de chocolate ao leite
1/2 caixa de creme de leite comum

Modo de fazer:
Leve o cupuaçu e o açúcar ao fogo médio sempre mexendo, até ficar com a consistência de uma geleia.
Bata o creme de leite fresco até o ponto de chantilly. Com cuidado, acrescente a geleia, que não pode estar muito quente, e misture até que estejam bem incorporados. Leve ao freezer. O importante do sorvete feito em casa é bater várias vezes para quebrar os cristais de gelo. Eu bati de hora em hora umas 5 vezes, o que foi um saco, tenho que admitir.
Derreta o chocolate com o creme de leite de caixinha. Pode ser em uma panela mesmo.
Depois das 5 horas de "batidas" e com o sorvete bem cremoso, derrame o chocolate derretido tomando o cuidado para que eles não se misturem muito. Volte para o freezer até a hora de servir.
Ufa! Agora é só aproveitar.

Dica da Myrna:
1) Retire o sorvete do freezer uns 10 minutinhos antes de servir, fica mais fácil e mais gostoso.

18/01/2012

Creme de repolho roxo


Receita escocesa verbatim. Para mim, no entanto, faltou uma gema de ovo, teria casado perfeitamente. Ficará para uma próxima vez, mas não diminui o sabor do prato.

Ingredientes:
Meio repolho roxo, picado fino
Duas cebolas fatiadas
Oito dentes de alho descascados e cortados em quatro partes
Duas batatas graúdas, descacadas e cortadas em pedaços pequenos
1 colher de sopa de sementes de cominho
Azeite
1 litro de água
Sal a gosto

Modo de preparar:
Em uma panela, coloque uma quantidade generosa de azeite para refogar as cebolas e os dentes de alho. Assim que a cebola tiver amolecido um pouco, acrescente o repolho e refogue, tomando o cuidado de mexer de vez em quando para o repolho não grudar na panela. Quando o repolho estiver cozido, acrescente a água, as batatas, as sementes de cominho e deixe cozinhar em ponto de fervura por 30 minutos. Quando as batatas estiverem cozidas, leve ao liquidificador e bata em um creme de consistência homogênea, acertando o sal conforme seu paladar. Para decorar, no prato, polvilhe algumas sementes de cominho e um fio de azeite.

15/01/2012

Abobrinhas brasileiras ou culinária mediterrânea brasileira





Certo dia desses resolvemos incomodar os escorpiões que habitam em minha carteira e fomos a um restaurante famoso daqui de Sampa, o Tordesilhas. A proprietária, Mara Salles, é a responsável pela cozinha e faz pratos que constroem um mapa gastronômico de nosso país com comidas típicas de todo canto. Eu e a Bibi nos esbaldamos. Tudo excelente, da entrada ao cafezinho. Elogiamos tanto que o maitre a levou a nossa mesa e ficamos encantados com sua simpatia e simplicidade. E, nessa conversa, uma confissão da chef: sua grande inspiração é a comida mineira. Tinha carne de lata, tutu, um monte de pequenas indulgências que só o mineiro conhece. Para nós dois isso foi a constatação do óbvio, mas deu sentido a todo aquele banquete que experimentamos.

Bom, sem maiores delongas, o prato de hoje é dela. Não tem nada de mineiro, de baiano ou de qualquer outro lugar. Seria genuinamente mediterrâneo se nosso país estivesse em sua costa. De qualquer forma, as abobrinhas brasileiras da Mara Salles são imperdíveis e facilmente replicáveis por qualquer um, até mesmo eu.

Ingredientes:
2 abobrinhas graúdas
2 colheres de sopa rasas de açúcar
1 colher de sobremesa rasa de sal
¼ de xícara de chá de vinagre
1/4 de xícara de água
1/2 de xícara de azeite de oliva extra virgem
1 dente de alho amassado com a casca
½ pimenta dedo-de-moça, sem as sementes, cortada ao meio
1/2 pimenta de cheiro, com as sementes, cortada em diagonal
1 galho de dill
1 galho de manjericão
1 colher de sobremesa de salsinha picada
1 colher de sobremesa de cebolinha picada
Gergelim preto e branco torrado

Modo de fezer:
Amasse o alho com a casa e esfregue nas paredes de um bowl. Acrescente na sequência: açúcar, sal, ervas e pimentas. Misture bem. Adicione o vinagre e a água. Misture bem até que o açúcar e o sal estejam bem dissolvidos. Coloque o azeite. Derrame essa mistura sobre as lâminas de abobrinha cortadas na espessura de 2 mm. Misture com as mãos envolvendo todas as lâminas. Guarde na geladeira. Finalize com gergelim preto e branco torrado.

Obs: Fizemos uma quantidade um pouco maior e guardamos em um pote de conserva na geladeira. Com o passar dos dias a abobrinha só ficou mais gostosa!

13/01/2012

Os benditos ovos



Por muitos e muitos anos eu ouvi as frases, "quero provar eggs benedict", "quem sabe podemos fazer eggs benedict", até que eu finalmente cedi aos pedidos. A receita consiste em um english muffin cortado ao meio, coberto com presunto ou bacon, ovos poché - dois por pessoa -  e finalmente o sauce hollandaise, ela é normalmente servida no café da manhã. São gastos muitos ovos, muitos mesmo, portanto recomendo a quem estiver com o colesterol na estratosfera nem chegar perto, mas se você estiver com ele só um pouquinho alto vale à pena se jogar na comilança. A receita é realmente muito boa.
Prepare-se pois a luta é árdua mas a vitória certa. Eu sugiro começar no dia anterior.
Aqui vão os benditos ovos!


Começamos com o english muffin, um pãozinho delicioso que pode ser feito inclusive em uma panela de ferro bem quente. Eu usei o forno mesmo. A minha receita é a do "Receitas caseiras - muffins, do Le Cordon Bleu.

Ingredientes para 12 muffins:
10g de fermento de pão
225 ml de água morna
400g de farinha
1 1/2 c de chá de sal
1c de chá de açúcar
1 de chá  de manteiga amolecida

Modo de fazer:
Dissolva o fermento na água morna, cuidado neste momento, se a água estiver muito quente vai dar errado (o que aconteceu comigo na primeira tentativa). Em uma tigela, coloque os ingredientes secos, faça uma cova e adicione o fermento dissolvido e a manteiga. Misture com as pontas dos dedos até que os ingredientes estejam unidos e depois sove em uma superfície enfarinhada por uns 3 minutos. Quem tiver batedeira com gancho de massa se livra desta parte de trabalho braçal da receita.
Volte a massa para a tigela com um pouco de farinha, cubra com filme plástico e espere dobrar de tamanho.
Abra a massa com um rolo deixando que ela fique com 1,5cm de altura, com um cortador ou uma caneca, corte as rodelas e coloque em uma assadeira enfarinhada. Asse em forno alto por 15 a 20 minutos virando os pãezinhos na metade do tempo.


O sauce hollandaise é um molho francês que vai muito bem com aspargos, eu já postei a receita aqui quando comemos com alcachofras.


O ovo poché já não é tão complicado. Ferva uma panela com água e um pouco de vinagre branco, quebre os ovos com muito cuidado e tampe por 2 ou 3min.

A montagem:

Divida o english muffin em duas partes e toste-as um pouco, coloque sobre cada uma a fatia de presunto comum, de parma ou bacon (para aqueles que não se importam meeeesmo!).
Coloque o ovo que deve ser retirado da panela com muito cuidado e a gema ainda mole, cubra com o sauce hollandaise e salpique um pouquinho de salsa desidratada.
Ufa! É isso aí. Um café da manhã pesado mas inesquecível, por bons motivos!

03/01/2012

Pão de calabresa



Essa receita eu consegui no receitadochef.blogspot.com/. Eu não tinha erva-doce, mas mesmo assim ficou uma delícia! Rendeu uma forma com furo no meio e outra de bolo inglês.

Ingredientes:
2 tabletes de fermento biológico (30g)
2x de leite morno
6x de farinha de trigo
7cs de azeite
2 ovos

Recheio:
500g de linguiça calabresa defumada, cortada em rodelas na diagonal
Um punhado grande de manjericão
1 cebola grande picada
2cs de semente de erva doce
1cs de sal grosso esmigalhado para polvilhar


Modo de fazer:
Em uma tigela misture o fermento e o leite morno e reserve.
Em outra coloque 5 xícaras da farinha, faça uma cova no centro e adicione os ovos, o azeite e o leite com fermento.
Misture devagar, começando pelo meio. Quando estiver bem misturado, coloque sobre uma superfície lisa com a outra xícara de farinha e sove por mais ou menos 10min. Se você tiver batedeira com gancho de massas, bata por 5 min.
Misture o recheio, coloque nas formas untadas e enfarinhadas e salpique o sal grosso.
Asse em forno médio até dourar.


02/01/2012

Zabaglione de Frangélico




Bem, eis que o bom filho à casa retorna! E a casa nunca poderia deixar de ser outra que não a de Myrna. E, com o retorno, novidades. Depois de um longo e tenebroso inverno viemos com a bola toda, repletos de receitas e com fotos pimpadas.

Para começar, da minha parte, um clássico revisitado. O zabaglione normalmente é feito com algum vinho doce, mas preferi usar o licor Frangélico dessa vez. O gostinho longíquo das avelâs casou muito bem com a base de gema de ovo. Para acompanhar, a sugestão de um vinho de sobremesa (Casa Aurora Colheita Tardia - qualquer safra, encontra-se no supermercado por preços entre 16 e 20 reais, já falei dele aqui).

Os ingredientes foram adaptados da receita de zabaglione de prosseco da Nigella (link aqui). Servem quatro pessoas civilizadas e educadas. Para os normais e mais propensos à felicidade essa quantidade dá para dois.

Ingredientes:
5 gemas
1 x de creme de leite fresco
100 g de açúcar
120 ml de Frangélico

Modo de fazer:
Em uma tigela de metal disposta sobre uma panela com água fervendo no fogo, sem deixar o fundo da panela encostar na água, misture as gemas e o acúcar , batendo por cerca de 15 minutos. Quando o creme tiver crescido pelo umas 3-4 vezes e engrossado um pouco, acrescente o creme de leite e o licor sem parar de bater. O ponto ideal é quando toda a mistura tiver a consistência de um creme grossinho. Sirva em taças e leve à geladeira. Ao servir, guarneça com pedaços grosseiros de chocolate meio-amargo.