10/09/2010

Costelinha ao tempero cítrico


Ingredientes:
8 costelinhas de porco
2 dentes de alho amassado
1 limão (raspas e sumo)
1cs de shoyo
1 cs de mel
1c de chá de cominho em pó
sal e pimenta do reino à gosto
2cs de geleia de laranja

Modo de fazer:
Em uma travessa misture todos os temperos, com exceção da geleia e mergulhe as costelinhas por 1 hora.
Forre uma forma com papel alumínio - duas camadas - , afinal, ninguém quer ter de passar o resto do dia tentando desgrudar a gordura do fundo! Coloque as costelinhas, pincele com a geleia e asse por mais ou menos 1 hora e meia ou até que estejam bem macias e coradas, quase soltando do osso.
Fica muito gostosa e foi uma ótima maneira de matar as saudades de casa... Coisa de mineiro.

03/09/2010

Batata assada com gorgonzola


Sabe aqueles dias em que você se descobre na cozinha, às 11:55, sem ter começado à preparar o almoço e com a sensação que deveria ter ido ao mercado antes? Pois então, ontem foi assim. Me perdi em frente ao computador montando a lojinha do Miss Darcy e quando vi, nada de almoço.
A saída foi uma receita fácil, feita em 15min, com o que tinha na geladeira e que no final, ficou muito boa.
Aí vai ela.

Ingredientes:
2 batatas grandes bem lavadas
2 fatias generosas de gorgonzola
2 c de sobremesa de manteiga
2 fatias de queijo do serro ou de qualquer outro
azeite
sal e pimenta do reino

Modo de fazer:
Asse as batatas. Para ganhar tempo, coloquei as duas por 10 min no microondas, furadinhas e envoltas em papel toalha.
Corte uma cruz rasa na parte superior das batatas, e aperte um pouquinho as laterais fazendo com que o recheio, que estará bem cozido e quente, saia um pouco.
Retire algumas colheradas do interior das batatas e faça uma mistura com o gorgonzola, a manteiga, sal e pimenta.
Voltando à parte da batata que ficou vazia, tempere com sal e pimenta e regue com um fio de azeite.
Recheie com a mistura de batata e gorgonzola, cubra com o queijo do serro e leve ao forno bem quente para gratinar. Simples, né?!

Dica da Myrna:
Se você tiver um pouco mais de tempo, asse as batatas em forno convencional cobertas com papel alumínio, a casca fica crocante, uma delícia!

01/09/2010

SPRW - AK Delicatessen

Estamos no meio da São Paulo Restaurant Week mais uma vez! Desta vez não deixamos barato e fomos à luta experimentar pratos de alguns dos melhores restaurantes da cidade a preços módicos. O primeiro da lista foi o AK Delicatessen.

Antes uma breve historinha do porquê desta escolha. Eu sempre gostei de ler os cadernos de cultura nos jornais e a chef desta casa, Andrea Kaufmann, sempre aparecia como uma inovadora em sua área. Tanto fez que acabou eleita chef do ano pela Veja SP em 2007. O restaurante tem uma cozinha judaica com influências pessoais da chef, meio italiano, meio brasileiro e sei lá o que mais, mas o fato é que parece dar certo. Desde que voltei a SP a trabalho tenho comido toda forma de comida judaica, pois é o que mais tem no Einstein. Com isso peguei o gosto pela coisa e resolvi tentar um restaurante.

As opções do cardápio eram as seguintes:

1) Entrada

Creme de Palmito com gema de ovo pochê


Rosbife em crosta de especiarias com salsa verde e tostada de tomate e cebola roxa

2) Prato principal

Frango Confit com repolho roxo agridoce e batata bolinha

Spaguetti ao limone levemente picante com espinafre e crocantes de challá ao manjeiricão

3) Sobremesa

Pudim de leite com top de doce de leite e flor de sal

Mousse Moccachino com chantilly de canela e ovomaltine

Eu e Bibi nos alternamos nos pratos de modo que todas as opções pudessem ser degustadas. O rosbife estava divino, mas a saladinha da foto era dispensável e nada agregou ao sabor do mesmo. Além de fatias ultrafinas de carne saborosíssima, o molho era divino e picante. O creme de palmito era também muito gostoso, bem temperado e, para mim, o ovo pochê brilhava como um sol varonil. Passou um pouco do ponto no sal, no entanto. Os pratos principais também eram gostosos, mas com reservas. O spaguetti ao limone passou longe daquela receita saborosa que já postamos por aqui, a massa estava no ponto correto, mas o molho não era nada se não um creme branco mal temperado. O frango estava bem confitado, com a carne no ponto certo, mas faltou um quê de alho, cebola e roça, sabe?! O repolho era para ser agridoce, mas parece ter faltado vinagre, estava doce, simplesmente. Das sobremesas achei o pudim bastante digno, sem nenhum furinho, acompanhado de um bom doce de leite, mas por incrível que possa parecer o que me chamou mais a atenção foi a flor de sal, que realmente temperou bem o doce! A mousse moccachino estava com um ótimo sabor, não muito doce como deve ser uma boa musse, mas fora do ponto. Para um restaurante isto é inaceitável. Embora o cafezinho fosse muito saboroso, veio frio.

A impressão final que tivemos foi de que se trata de um bom restaurante, com excelente potencial, mas que pecou pelos pratos escolhidos para a SPRW e pela execução dos mesmos. No cardápio regular há iguarias que parecem ser deliciosas e que um dia provaremos, mas não por enquanto. De zero a dez, dou 6, com boa vontade. A Bibi, aqui do meu lado, foi mais generosa, deu 7. Não se deixem levar por isto, tenham suas próprias opiniões!

Esta semana ainda ousaremos mais: Capim Santo ou Vinheria Percussi, vamos ver...