16/08/2010

O restaurante de um prato só



Meus amigos, o Segredos retorna com uma postagem sobre mais uma aventura gastronômica de Bibi e eu. Este final de semana fomos a um restaurante que já tínhamos ouvido falar, mas que não sabíamos ao certo do que se tratava. É o restaurante do Olivier Anquier, chamado "l'Entrecôte de Ma Tante", que tem apenas um prato em seu cardápio: um entrecôte, ou contra-filé, com molho de manteiga e ervas finas, acompanhado de batatas fritas.

Falando assim, de forma simples e direta, a gente é levado a pensar o seguinte: que diabo de restaurante é esse que só tem um prato? Também pensei exatamente desta forma, mas ao chegar à casa, elegantemente decorada, e com uma quilométrica fila na porta em uma quase tarde de um frio domingo de agosto, percebi que ali havia algo que eu não conseguira perceber antes. Fomos atendidos de forma rápida por um garçom que era a cara do Steve Martin, e pedimos uma entrada com os queijos da casa, que não fariam jus ao que estava por vir. O menu fechado inclui uma salada verde com molho agridoce, pães e o prato principal. A salada é uma daquelas que abre o apetite de forma elegante e nos lembra de que comer verduras pode ser uma grande coisa. O prato principal, um contra-filé de 2 cm de altura, na chapa, ao ponto, vinha coberto por um aviltante molho de ervas finas na manteiga e uma generosa porção de fritas fininhas, quentinhas e feitas na hora. Só isso e mais nada. Amigos, lhes digo que hoje é quase terça-feira e ainda me lembro do gosto daquele entrecôte com água na boca.

Na sobremesa, clássicos franceses como a mousse de chocolate, creme brulée e outros. Eu fui de mousse e a Bibi de brulée. Quando pedi o primeiro estava escrito no cardápio que a porção era generosa e à vontade. Não acreditei muito no que estava escrito, mas fui lá. Sabe aquelas colheres de arroz, grandes? Pois é, foram duas daquelas. Enquanto a Bibi olhava para aquele ramequin de creme brulée pequenininho eu me deliciava com uma mousse divina.

O preço não interessa, não foi nem muito caro, nem muito barato, deu para pagar e certamente valeu cada centavo e muito mais. A bem da verdade, em toda a história do universo, essa foi a viagem para dois mais barata para Paris jamais paga.

Nenhum comentário: