09/12/2010

Tiramisù


Essa receita de Tiramisù eu já faço há vários anos, ela apareceu em uma revista cujo nome nem por tortura eu me lembraria, mas o fato é que eu lembro o nome de quem a criou, Silvia Percussi, da Vinheria Percusi, em São Paulo.

As receitas originais são feitas com mascarpone, um queijo italiano divino, mas ainda muito caro por aqui. De todas as versões não tradicionais que eu já provei, e acreditem, foram muitas, esta é a melhor.

Ingredientes:
6 ovos
1x de açúcar
200g de Catupiry
300ml de creme de leite fresco
3 pacotes de biscoito champagne
1 copo de café forte
1 barra de chocolate picado
licor amaretto a gosto, (já fiz com Frangelico e também ficou ótimo)

Modo de fazer:
Bata metade do açúcar com as claras em neve e a outra metade com as gemas.
Junte o Catupiry a esta gemada e bata bastante até obter um creme denso. Adicione o creme de leite e, por fim, as claras.

Molhe os biscoitos rapidamente em uma mistura do café com o licor e comece a montar, serão camadas de biscoito, creme e chocolate alternadas. Termine sempre com o creme com alguns pedacinhos de chocolate.

Eu garanto que o sabor compensa todo o tempo despendido...

29/11/2010

Catalônia com shimeji gigante

Ingredientes:
1 maço de catalônia (com acelga também fica bom)
200g de shimeji gigante fresco (também podem ser usados outros cogumelos frescos)
4 dentes de alho picados
um pouco de azeite para refogar
2cs de shoyo
1 cs de saquê de cozinha (se você tiver, não vale a pena comprar só para esta receita)
algumas gotinhas de óleo de gergelim

Mode de fazer:
Em uma panela, coloque o azeite, o óleo de gergelim e refogue o alho. Acrescente os cogumelos, que dever ter sido limpos com um paninho e cortados em tiras. Refogue-os até que fiquem macios, mas não muito.
Adicione então a verdura lavada e sem cortar, o shoyo e o saquê. Em poucos minutos a verdura estará murcha, a hora certa de retirar do fogo para que não perca a cor.
Eu não coloquei sal por conta do shoyo e ficou ótimo. Sirva com arroz branco, ou mesmo com alguma massa.

Pêssegos assados com baunilha e rum


Eu tenho até vergonha de postar esta receita. Alguma coisa feita em 2 minutos pode ser chamada de receita? Ainda mais depois de um mês sem postar nada...

De qualquer forma, o Gui ganhou de um paciente duas lindas caixas de pêssegos maduros e, como vocês imaginam, só nós dois não daríamos conta de tudo. A solução apareceu em um jantar feito às pressas para minha amiga Priscilla, depois de um dia inteiro de visita à Bienal de Arte e alguns goles de vinho, claro!
Enfim, vamos lá:

Ingredientes:
pêssegos e ameixas maduros, usei uns 10 ou 12
2cs de açúcar
1 fava de baunilha ou algumas gotinhas de essência
1/2x de rum

Modo de fazer:
Corte as frutas ao meio e se tiver tempo e paciência retire os caroços. Em um potinho, misture o açúcar, o rum e os pontinhos pretos que vem dentro da fava. Espalhe sobre as frutas, misture com as mãos e leve ao forno bem quente por uns 10 minutos. O tempo vai depender de quão maduras estão as frutas. Acabou! Tem coisa mais fácil? Eu garanto que poucas sobremesas serão tão gostosas como essa.
Ah, e se você não estiver de regime como nós, sirva com uma generosa bola de sorvete de creme...

23/10/2010

Alcachofras com sauce hollandaise


As receitas do molho e da alcachofra foram retiradas do "Todas as técnicas culinárias do Le Cordon Bleu".
O gosto pelas alcachofras veio de um jantar D_I_V_I_N_O na casa da Isabella e do Paulo.
Por hora vou postar o molho, a receita das alcachofras ficará por conta do Gui...

Ingredientes para o molho hollandaise - 250ml:
3 gemas
3cs de água quente
175g de manteiga morna (se possível clarificada, coisa que eu não tive tempo de fazer...)
suco de 1/2 limão siciliano ou 1/4 de limão tahiti
sal e pimenta branca ou do reino

Modo de fazer:
Em fogo baixo bata as 3 gemas e a água por 3 minutos, até emulsificar. Eu usei um fouet para bater. Junte a manteiga aos poucos batendo vigorosamente, cuidado para as gemas não cozinharem, se precisar levante um pouco a panela. Ainda batendo, coloque o limão e os temperos. Coma na hora para não talhar. É muito gostoso!

Dica da Myrna:
Se o molho talhar, acrescente mais uma gema batida com uma colher de água e bata vigorosamente, juro que funciona.

Spanakoptas


Spanakoptas são pasteizinhos gregos de massa folhada, muito simples de fazer e que levam qualquer um a adorar espinhafre...

Ingredientes:
1 pacote de massa folhada cortada em quadrados ou aquela que já vem em retângulos
1/2 cebola picada em cubos
1 cs de manteiga e um pouco de azeite para refogar
1 dente de alho picado
2 ovos
1 maço de espinafre cozido e escorrido
2 cs de parmesão ralado
100g de mussarela
sal, pimenta, nóz moscada e dill para temperar
1 gema para pincelar

Na manteiga com o azeite, refogue o alho, a cebola, acrescente os ovos e misture bem. Adicione o espinafre picado e deixe mais uns 3 minutos no fogo. Coloque os temperos, os queijos e espere esfriar antes de rechear a massa folhada, que deve ser cortada em quadradinhos para que depois de dobrados fiquem em formato triangular. Pincele com a gema e leve ao forno médio pré aquecido até que fiquem corados. Lembre-se de untar a forma com óleo ou será um desastre na certa!
Coma ainda quente, é muito gostoso.

Dica da Myrna:
Geléia de pimenta acompanha muito bem os pasteizinhos...

10/09/2010

Costelinha ao tempero cítrico


Ingredientes:
8 costelinhas de porco
2 dentes de alho amassado
1 limão (raspas e sumo)
1cs de shoyo
1 cs de mel
1c de chá de cominho em pó
sal e pimenta do reino à gosto
2cs de geleia de laranja

Modo de fazer:
Em uma travessa misture todos os temperos, com exceção da geleia e mergulhe as costelinhas por 1 hora.
Forre uma forma com papel alumínio - duas camadas - , afinal, ninguém quer ter de passar o resto do dia tentando desgrudar a gordura do fundo! Coloque as costelinhas, pincele com a geleia e asse por mais ou menos 1 hora e meia ou até que estejam bem macias e coradas, quase soltando do osso.
Fica muito gostosa e foi uma ótima maneira de matar as saudades de casa... Coisa de mineiro.

03/09/2010

Batata assada com gorgonzola


Sabe aqueles dias em que você se descobre na cozinha, às 11:55, sem ter começado à preparar o almoço e com a sensação que deveria ter ido ao mercado antes? Pois então, ontem foi assim. Me perdi em frente ao computador montando a lojinha do Miss Darcy e quando vi, nada de almoço.
A saída foi uma receita fácil, feita em 15min, com o que tinha na geladeira e que no final, ficou muito boa.
Aí vai ela.

Ingredientes:
2 batatas grandes bem lavadas
2 fatias generosas de gorgonzola
2 c de sobremesa de manteiga
2 fatias de queijo do serro ou de qualquer outro
azeite
sal e pimenta do reino

Modo de fazer:
Asse as batatas. Para ganhar tempo, coloquei as duas por 10 min no microondas, furadinhas e envoltas em papel toalha.
Corte uma cruz rasa na parte superior das batatas, e aperte um pouquinho as laterais fazendo com que o recheio, que estará bem cozido e quente, saia um pouco.
Retire algumas colheradas do interior das batatas e faça uma mistura com o gorgonzola, a manteiga, sal e pimenta.
Voltando à parte da batata que ficou vazia, tempere com sal e pimenta e regue com um fio de azeite.
Recheie com a mistura de batata e gorgonzola, cubra com o queijo do serro e leve ao forno bem quente para gratinar. Simples, né?!

Dica da Myrna:
Se você tiver um pouco mais de tempo, asse as batatas em forno convencional cobertas com papel alumínio, a casca fica crocante, uma delícia!

01/09/2010

SPRW - AK Delicatessen

Estamos no meio da São Paulo Restaurant Week mais uma vez! Desta vez não deixamos barato e fomos à luta experimentar pratos de alguns dos melhores restaurantes da cidade a preços módicos. O primeiro da lista foi o AK Delicatessen.

Antes uma breve historinha do porquê desta escolha. Eu sempre gostei de ler os cadernos de cultura nos jornais e a chef desta casa, Andrea Kaufmann, sempre aparecia como uma inovadora em sua área. Tanto fez que acabou eleita chef do ano pela Veja SP em 2007. O restaurante tem uma cozinha judaica com influências pessoais da chef, meio italiano, meio brasileiro e sei lá o que mais, mas o fato é que parece dar certo. Desde que voltei a SP a trabalho tenho comido toda forma de comida judaica, pois é o que mais tem no Einstein. Com isso peguei o gosto pela coisa e resolvi tentar um restaurante.

As opções do cardápio eram as seguintes:

1) Entrada

Creme de Palmito com gema de ovo pochê


Rosbife em crosta de especiarias com salsa verde e tostada de tomate e cebola roxa

2) Prato principal

Frango Confit com repolho roxo agridoce e batata bolinha

Spaguetti ao limone levemente picante com espinafre e crocantes de challá ao manjeiricão

3) Sobremesa

Pudim de leite com top de doce de leite e flor de sal

Mousse Moccachino com chantilly de canela e ovomaltine

Eu e Bibi nos alternamos nos pratos de modo que todas as opções pudessem ser degustadas. O rosbife estava divino, mas a saladinha da foto era dispensável e nada agregou ao sabor do mesmo. Além de fatias ultrafinas de carne saborosíssima, o molho era divino e picante. O creme de palmito era também muito gostoso, bem temperado e, para mim, o ovo pochê brilhava como um sol varonil. Passou um pouco do ponto no sal, no entanto. Os pratos principais também eram gostosos, mas com reservas. O spaguetti ao limone passou longe daquela receita saborosa que já postamos por aqui, a massa estava no ponto correto, mas o molho não era nada se não um creme branco mal temperado. O frango estava bem confitado, com a carne no ponto certo, mas faltou um quê de alho, cebola e roça, sabe?! O repolho era para ser agridoce, mas parece ter faltado vinagre, estava doce, simplesmente. Das sobremesas achei o pudim bastante digno, sem nenhum furinho, acompanhado de um bom doce de leite, mas por incrível que possa parecer o que me chamou mais a atenção foi a flor de sal, que realmente temperou bem o doce! A mousse moccachino estava com um ótimo sabor, não muito doce como deve ser uma boa musse, mas fora do ponto. Para um restaurante isto é inaceitável. Embora o cafezinho fosse muito saboroso, veio frio.

A impressão final que tivemos foi de que se trata de um bom restaurante, com excelente potencial, mas que pecou pelos pratos escolhidos para a SPRW e pela execução dos mesmos. No cardápio regular há iguarias que parecem ser deliciosas e que um dia provaremos, mas não por enquanto. De zero a dez, dou 6, com boa vontade. A Bibi, aqui do meu lado, foi mais generosa, deu 7. Não se deixem levar por isto, tenham suas próprias opiniões!

Esta semana ainda ousaremos mais: Capim Santo ou Vinheria Percussi, vamos ver...

29/08/2010

Arroz com frango e açafrão


Esse prato eu conheci na casa da Ana Paula, uma amiga mineira que também mora em SP. Ela me passou a receita, mas confesso que essa é apenas uma versão modificada da original, que era uma delícia...

Ingredientes para 4 pessoas:

4 contra-coxas de frango cozidas, desfiadas e sem a pele
caldo em que o frango foi cozido
200g de grão de bico cozido em água com sal
1 cebola grande cortada em cubos
2x de arroz parboilizado
açafrão suficiente para um amarelo bonito
cominho em grãos (minha mais feliz descoberta!)
alho e sal a gosto
azeite, muito azeite...

Modo de fazer:
Refogue o alho, o cominho e a cebola no azeite, acrescente o arroz, o caldo do frango e o açafrão e deixe cozinhar com a panela parcialmente tampada por 5min. Acrescente o grão de bico e o frango, misture bem e deixe que termine de cozinhar. Regue com mais azeite e aproveite!

23/08/2010

Miss Darcy



Caros amigos, não me darei ao trabalho de comentar a estanha imagem abaixo, pois, afinal, não sei do que se trata. Ele realmente deve estar ficando louco...
Mas vamos ao que interessa. Este post é um convite para meu novo blog. Sim, mais um!!!
Ele será dedicado ao design, decoração, crafts e muito mais. Não percam.

Am I going crazy?


Um doce à sua escolha se você adivinhar o motivo pelo qual este que vos escreve está ficando louco. Uma dica da Myrna: isto se refere a algo que escrevi no blog.

22/08/2010

Macarrão com molho de bacon e canela


Somos fanáticos por bons livros de culinária. Quem conhece nossa casa sabe disso, sobretudo pelo espaço reservado a estes livros. Na infatigável busca por receitas, nos deparamos com o livro "100 receitas de macarrão", escrito pelo (chato do) Silvio Lancellotti, da L&PM Pocket. No mesmo há uma receita de 1662, entitulada Spaghetti del Cuoco Stefani. Quando li a receita a primeira vez, fiquei imaginando em que daria. Uma sexta à noite, enquanto a Bibi viajava para me encontrar em SP há alguns anos, repeti a receita com livres adaptações e ficamos extasiados! Passou o tempo e resolvi fazê-la novamente, com um resultado ainda melhor. A receita original usa spaghetti, que eu concordo ser a melhor massa para sua execução, mas infelizmente estávamos sem e acabamos usando gansettes.

Para quem gosta de massa, o livrinho acima é um must have. Chamo o autor de chato, porque ele é (ou era) comentarista esportivo do campeonato italiano pela Bandeirantes e equiparava-se em inconveniência com o único Galvão Bueno (cala a boca, Galvão).


Ingredientes:
500 g do macarrão de sua preferência (sugiro spaghetti) em ponto al dente
4 colheres de sopa de manteiga
450 g de bacon cortado em cubinhos
1 cravo moído
1 colher de chá de canela em pó
2 colheres de chá de açúcar mascavo
suco de meio limão Tahiti

Modo de preparar:
Em uma panela, coloque a manteiga, deixe-a derreter um pouco, e a seguir acrescente os cubos de bacon, o cravo e a canela. Deixer o bacon tostar um pouco e acrescente o açúcar mascavo e o suco de limão. O bacon vai rapidamente adquirir uma cor mais dourada, próxima do frito. Neste ponto, com o fogo ainda ligado, acrescente o macarrão, mexendo e remexendo para que todo ele seja exposto ao molho e pegue bem o gosto. Sirva com lascas de parmesão.

Dica da Myrna:
Cuidado para que o açúcar não caramelize e grude no fundo da panela!

16/08/2010

O restaurante de um prato só



Meus amigos, o Segredos retorna com uma postagem sobre mais uma aventura gastronômica de Bibi e eu. Este final de semana fomos a um restaurante que já tínhamos ouvido falar, mas que não sabíamos ao certo do que se tratava. É o restaurante do Olivier Anquier, chamado "l'Entrecôte de Ma Tante", que tem apenas um prato em seu cardápio: um entrecôte, ou contra-filé, com molho de manteiga e ervas finas, acompanhado de batatas fritas.

Falando assim, de forma simples e direta, a gente é levado a pensar o seguinte: que diabo de restaurante é esse que só tem um prato? Também pensei exatamente desta forma, mas ao chegar à casa, elegantemente decorada, e com uma quilométrica fila na porta em uma quase tarde de um frio domingo de agosto, percebi que ali havia algo que eu não conseguira perceber antes. Fomos atendidos de forma rápida por um garçom que era a cara do Steve Martin, e pedimos uma entrada com os queijos da casa, que não fariam jus ao que estava por vir. O menu fechado inclui uma salada verde com molho agridoce, pães e o prato principal. A salada é uma daquelas que abre o apetite de forma elegante e nos lembra de que comer verduras pode ser uma grande coisa. O prato principal, um contra-filé de 2 cm de altura, na chapa, ao ponto, vinha coberto por um aviltante molho de ervas finas na manteiga e uma generosa porção de fritas fininhas, quentinhas e feitas na hora. Só isso e mais nada. Amigos, lhes digo que hoje é quase terça-feira e ainda me lembro do gosto daquele entrecôte com água na boca.

Na sobremesa, clássicos franceses como a mousse de chocolate, creme brulée e outros. Eu fui de mousse e a Bibi de brulée. Quando pedi o primeiro estava escrito no cardápio que a porção era generosa e à vontade. Não acreditei muito no que estava escrito, mas fui lá. Sabe aquelas colheres de arroz, grandes? Pois é, foram duas daquelas. Enquanto a Bibi olhava para aquele ramequin de creme brulée pequenininho eu me deliciava com uma mousse divina.

O preço não interessa, não foi nem muito caro, nem muito barato, deu para pagar e certamente valeu cada centavo e muito mais. A bem da verdade, em toda a história do universo, essa foi a viagem para dois mais barata para Paris jamais paga.

30/07/2010

And the sun will shine again!


Após meses trancados, martirizados, olhando para o vazio, eu e Bibi nos cansamos da inércia. Voltamos. Voltamos. Voltamos para fazer o que mais gostamos! Cozinhar para nós mesmos e os eventuais amigos que aparecem aqui em casa. Agora em SP, onde ainda conhecemos poucas pessoas, estas festinhas são mais raras, mas temos garantido a média nos mantendo na ativa juntos.
Avisem aos amigos que o Segredos está de volta.
Novas receitas, dicas de comidinhas, coisas boas da vida, livros e, em breve, uma misteriosa Miss Darcy também entra para o time. Quem será está entidade?
Aguardem! Bom tê-los de volta!

27/03/2010

Whatever you do, whatever you say, yeah I know it's alright


Caros amigos,

Eu e Bibi temos andado meio sumidos e não é a toa. Na última postagem mencionei que estávamos grávidos e felizes, mas infelizmente as coisas não foram a contento e acabamos perdendo o bebê. Depois de alguns dias muito, muito difíceis a vida parece retornar aos trilhos. Todavia não sem que coloquemos muito do que fazemos ou deixamos de fazer em perspectiva.

As coisas melhorarão em algum tempo, espero que bem pouco, e tornaremos a um ritmo de postagens que satisfaça nossas obsessivas cabeças, mas por enquanto fica no ar. Fiquem tranquilos, estamos bem, mas precisamos de um tempo para a gente.

Tudo que postamos e escrevemos brota de nossa felicidade em viver, aproveitar as coisas boas e poder dividir isto com as pessoas que gostamos, ou seja, vocês que se dão ao trabalho de nos ler. Ultimamente, no entanto, estamos meio cansados, com vontade de sumir do mapa e estamos a fim de manter um low profile. Assim sendo, o Segredos entra em um intervalo sabático para o bem dele, de vocês e nosso.

Podem deixar que quando voltarmos espalhamos o burburinho de novos segredos da casa de Myrna. Um abração a todos!

21/02/2010

Aventuras da gula ou Como descobrimos o sertão em São Paulo


Caros amigos,

Sábado resolvemos nos embrenhar pela Zona Norte de São Paulo para descobrirmos o Eldorado da comida nordestina hype por estas terras. Li uma crítica deste restaurante em algum jornal, acredito que no caderno Paladar do Estadão, e resolvi aparecer por lá com a Bibi.

Olhei no mapa o caminho, mas não imaginava o que me esperava. Encravado na Vila Medeiros, muito além de onde vai o metrô (isto é longe pacas, acreditem!), chegamos ao restaurante, que de fora parecia mais um boteco arrumadinho. Lêdo engano... Depois de uma espera de módicos quarenta minutos, sentamo-nos em uma mesinha no canto e demos uma olhada no cardápio. A vontade era comer tudo, mas como não dava, atacamos no que achamos mais interessante.

Na entrada, uma porção de mandioca cozida passada na manteiga de garrafa e um torresmo que só vi igual em um lugar, na casa dos meus pais. O bom mineiro conhece o torresmo de barriga do porco, que é aquele que tem mais carne do que gordura, não essa pele que o povo costuma erroneamente chamar de torresmo em outras bandas. E era isto mesmo. Acompanhava um limão Tahiti e outro limão capeta, que é aquele limão meio alaranjado. A Bibi, grávida, tomou uma água com gás, eu, dirigindo, tomei um refri mesmo, mas a vontade era enfiar a cabeça em um dos deliciosos drinques que os carinhas preparavam com máxima destreza.

Para comer ficamos transtornados, sem saber o que pedir. Eles tem quatro tamanhos de porções dos pratos principais: mini, pequeno, médio e grande. O mini é um ramekin e o maior é uma cumbuca que deve servir umas dezoito pessoas com sobras. Dessa forma a gente pode provar praticamente tudo do cardápio. Aqui uma lista do que pedimos: caldo de mocotó, sarapatel, feijão de corda, baião de dois e tapioca de carne seca com requeijão do Norte. Tudo era excelente! Ingredientes de primeira, comida bem executada, tudo muito muito honesto. Quando fomos ao gastropub do Gordon Ramsey tivemos a mesma sensação, a melhor comida do mundo, a das nossas famílias, só que feita por gente que entende um mínimo de gastronomia e faz aquilo com mais do que instinto.

Como diz a Ana Amoroso, amiga-irmã da minha sogra, não adianta ficar falando, tem que ir lá para ver.

Aqui o link.

PS: Se alguém estiver por SP e quiser companhia, eu e Bibi nos dispomos a ir! Basta avisar! Um abraço a todos!

10/02/2010

Idéias de cozinha


Papel de parede na geladeira. Não é uma boa idéia?!
Dica no Livingetc.

09/02/2010

Quem disse que a gaveta de talheres tem que ser monótona?


Essa dica é do www.livingetc.com .

Torradas com shimeji


No The Narrow, em Londres, minha irmã Clarice pediu como entrada uma torrada com cogumelos que nos deixou, eu e o Gui, com água na boca. Aqui vai uma tentativa muito, mas muito mais simples mesmo, de rever aqueles dias.
É fácil e rápido, desde que você encontre shimeji no supermercado...
Ingredientes:
4 fatias de um bom pão integral, eu usei um com castanhas do pará
1 cebola cortada em cubos
1 bandeja de shimeji claro
2 dentes de alho picadinhos
azeite para refogar
1cs de shoyo
algumas gotinhas de óleo de gergelim
uma pitada de cheiro verde, pode ser o seco mesmo
sal e pimenta à gosto
Modo de fazer:
Coloque as torradas no forno. Enquanto isso, refogue todos os ingredientes no azeite, começando pelo alho e a cebola. Em pouco tempo os cogumelos vaõ soltar um caldinho delicioso. Assim que estiverem cozidos, coloque sobre as torradas, cubra com mais um fio de azeite e delicie-se!

31/01/2010

Penne com hortelã e burrata



Receita simples, leve e deliciosa que não demora nem 15 minutos...

Ingredientes:
Meio pacote de penne
Hortelã
Azeite
Pimenta
Bacon em tiras
Sal e pimenta
Burrata (2 bolas)

Modo de preparar:
Separe as folhas de hortelã de seus cabos e pique-as grosseiramente em pedaços pequenos. Corte o bacon em pedaços de até 2 cm, leve ao fogo com um fio de azeite apenas para dourar. Na mesma panela acrescente o macarrão pronto, mexa e remexa, acrescentando a seguir a hortelã e sal e pimenta a gosto. Para decorar pegue a burrata, parta-a ao meio e disponha-a sobre o macarrão.

Dica da Myrna:
Clique aqui para um texto explicando o que é a burrata. Quem não provou está perdendo esta iguaria.

29/01/2010

Ceviche de Saint-Peter com salada de abacate


Tentando (e falhando) fazer dieta, procuramos alguns pratos mais leves e menos calóricos. Recorremos à peixaria do supermercado e encontramos o sempre bom Saint-Peter. Peixe de carne clara, fica muito bom grelhado, cozido ou, como fizemos aqui, cru. Depois de feito o ceviche ficamos meio angustiados com a falta de cor do prato: a Bi não gosta muito de coentro. Daí veio a idéia do abacate, levemente salpicado de azeite e pimenta.

Ingredientes:
Meio quilo de Saint-Peter limpo
Dois limões Taiti
Dois limões sicilianos
Uma pimenta dedo de moça
Sal e pimenta
Azeite
Um abacate pequeno (ou dois avocados)

Modo de preparar:
Corte o peixe em cubos de cerca de 2 cm de lado e reserve em um bowl grande. Acrescente a seguir o suco dos limões, a pimenta cortada em rodelas sem as sementes, azeite, sal e pimenta em quantidades generosas, mas a seu gosto. Misture bem com as mãos para que o peixe cozinhe no caldo ácido do limão e leve à geladeira por três horas antes de servir, cobrindo a vasilha com um filme plástico. Disponha em um prato raso e ao lado acrescente as lascas de abacate, polvilhando sal e pimenta por cima e jogando um fio de azeite para decorar.

Dica da Myrna:
Ceviche é fácil, gostoso e saudável. Quem experimenta nunca mais deixa de querer!

28/01/2010

Caponata à Marco Polo


Sábado, quase duas da tarde, recém chegados de uma semana em São Paulo, estarvados por definição do horário, fomos fazer o almoço. Uma supresa desagradável arrebatou-nos: nada em casa, exceto por pimentões comprados duas semanas antes, cabeças de alho e cebolas. Nenhuma carne, nenhum macarrão, mais nada, nem mesmo uma lasanha de microondas. Um diálogo (verbal ou mental, não sei ao certo):

"Ah, vamos comer qualquer coisa no McDonald's..."

"Não gasto dinheiro com porcaria!"

"Mas não tem nada em casa."

"Como assim?"

"Nada, zero, zero, bolinha..."

"O que tem?"

"Pimentões de dias, um deles meio passado, cebolas, alho e mais nada, nem uma carninha."

"Então vamos fazer um almoço com o que temos."

Eis que então surgiu a estrela do dia: o curry. ingrediente típico da cozinha do sudeste asiático, amplamente utilizado em diversos países ocidentais, particularmente a Inglaterra. Quem aprende o sabor de um bom curry torna-se habituè de seu uso na cozinha do dia-a-dia, não apenas pelo sabor, mas pelo perfume que confere aos pratos.

Ingredientes:
2 pimentões amarelos
2 pimentões vermelhos
10 cebolinhas descascadas e cortadas ao meio
1 cabeça de alho descascada
2 colheres de sopa de azeite extra virgem
1 cs de curry
2cs de vinagre branco (usei o de arroz)
2 cs de mel
2cs de molho de ostra (opcional)
1cs de alecrim seco
1 cs de açúcar
molho de pimenta
sal, pimenta do reino a gosto

Modo de preparar:
Descasque as cebolas e os dentes de alho, corte os pimentões em cubos de 1 cm de lado e refogue-os no azeite. Acrescente a seguida os demais ingredientes, sempre misturando, até que comece a se formar um caldo no fundo da panela. Neste momento abaixe o fogo ao mínimo possível e deixe cozinhar por uns 15 minutos, misturando vez por outra para dispersar os temperos. Idealmente, o pimentão deve encontrar-se ligeiramente al dente para ser servido. Acompanha bem um bom pão, quer seja ele italiano, ciabata, australiano, ou, como preferimos, de nozes.

Dica da Myrna:
Perfeito para acompanhar um queijo macio e de sabor marcante como o Gruyère. Um bom vinho branco (chardonnay foi nossa escolha) de sua preferência harmoniza os sabores de forma sublime.

27/01/2010

Idéia de cozinha

De agora em diante, às quartas-feiras, publicaremos algumas boas idéias para a sua cozinha. Eu não me refiro a um tempero diferente ou uma nova forma de assar um frango, mas à paredes coloridas, quadrinhos e tudo o que pode deixar a sua cozinha mais aconchegante e agradável.
Como boa leitora de blogs que sou, venho guardando muitas dessas imagens para a minha "cozinha do futuro" e agora resolvi partilhar com vocês essas dicas.
As primeiras são do "Desire to inspire".



19/01/2010

Penne com atum e canela


A Isabella, minha amiga querida, me ensinou essa receita pela qual eu assumo, não dava nada. Com cara de patê de atum, esse molho se mostrou uma boa saída para almoços apressados. Nem sei se a receita é essa mesmo, mas depois de tantos anos é assim que eu faço.

Ingredientes para 2 pessoas:
1 lata de atum em pedaços
1 cebola ralada
1cs de catchup
1cs de mostarda
1cs de molho inglês
2cs bem cheias de maionese
1cc de canela em pó
1cc de tomilho seco
Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer:
Misture todos os ingredientes, adicione ao macarrão ainda quente e pronto!
Eu avisei que era rápido!

13/01/2010

Moyashi com calabreza


Moyashi nada mais é do que broto de feijão. Eu sei que ele tem cara de comida natureba, mas garanto que é mais do que isso. Essa receita confirma minha teoria...

Ingredientes:
1 pacote de moyashi
1 gomo de linguiça calabreza cortada em pedacinhos
1 cebola picada em pedaços grandes
azeite para refogar
shoyo, sal e pimenta malagueta à gosto
um pouco de gergelim preto para decorar

Modo de fazer:
No azeite, refogue a cebola e a calabreza. Reserve. Cozinhe o moyashi por 2min em água fervente com um pouquinho de sal e escorra. Ele deve continuar crocante. Adicione o moyashi à panela com a calabreza e deixe refogar mais um pouco. Coloque os temperos e decore com o gergelim.
Fica ótima como acompanhamento, mas nós encaramos como um belo prato principal!

Dica da Myrna:
Coloque a calabreza no microondas enrolada em duas folhas de papel toalha e deixe por 1 ou 2min em potência alta. Isso reduz o excesso de gordura. Lembre-se de fazer alguns cortes com a faca na pele da linguiça para evitar que ela estoure lá dentro...

P.S.
Eu adoro comida natureba, tá?!

12/01/2010

Puré de batata doce com kümmel

Ingredientes:
2 batatas doce cozidas e ainda quentes
200ml de creme de leite
1/2x de leite
1/2 c de sopa de kümmel
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer:
Amasse as batatas ou passe pelo espremedor. Coloque-as em uma panela sobre fogo baixo, acrescente o creme de leite e vá misturando, sem parar. Coloque o leite aos poucos, até que o puré fique com uma textura bem cremosa. Coloque os temperos, misture mais um pouco, et voilà!
Nós comemos como acompanhamento para carne de porco e tenho que admitir, ficou muito bom!