30/12/2009

Molho de pepinos em conserva

Ingredientes:
3cs da maionese de sua preferência
4 ou 5 pepinos em conserva bem picadinhos (eu gosto dos da Hemmer)
1 alho ralado
pimenta do reino
1 cs de creme de leite

Modo de fazer:
Misture tudo e está pronto. Fácil, né? Acreditem, fica muito gostoso.
Nós comemos com peixe empanado, mas também fica bom com os nuggets de caixinha...

Puré de maçãs

Fatalmente, depois da ceia de natal, as sobras amontoam-se na geladeira. E nada pior do que encarar a comida com cara da noite anterior...
Uma boa dica é esse puré de maçãs, fácil de preparar, ele transforma as fatias de peito de perú em uma nova e apetitosa experiência.

Ingredientes:
1 fio de azeite
5 maçãs picadas em cubinhos e com a casca
1cc de açúcar
1 pitada de sal
2cs de vinagre branco, preferencialmente de arroz
pimenta do reino à gosto
1 pitada de nóz moscada

Modo de fazer:
No azeite, refogue as maçãs, adicione os outros ingredientes e deixe cozinhar. Se for preciso, acrescente um pouco de água. Quando as maçãs estiverem bem cozidas, separe uma boa parte e leve para bater no liquidificador. Use a tecla "pulsar" para que ainda fiquem alguns pedacinhos. Volte para a panela e misture ao restante das maçãs.
Está pronto um ótimo acompanhamento para perú, carne de porco e o que mais der vontade...

Paris

Finalmente esta é a última postagem relacionada à viagem.
Foram tantas as fotos e tantas as gostosuras que o mais difícil foi selecionar o que viria pra cá.
Paris foi um sonho, de verdade. A expectativa de mais de uma década (sim, eu sonhava em ir à Paris desde 2006 quando pedi meu primeiro cartão internacional) realizou-se da melhor forma possível. Eu e o Gui na cidade mais bonita do mundo!
Come-se muito bem por lá. E foi o que mais fizemos já que as comprinhas estavam terminantemente proibidas - tudo muito caro.
O primeiro almoço foi em um bistrô perto da Notre Dame. De entrada, como se esperava, provamos a famosa sopa de cebolas. Magnifique!
Eu continuei com um crepe nórdico que vinha recheado com um salmão defumado quase inteiro! O Gui foi de croque-monsieur, um misto quente chique que é feito com gruyère ou emmental e um molho delicioso.
No restante dos dias pode-se dizer que vivemos em um paraiso de pão, vinho e queijo, os três grandes pilares da nossa alimentação parisiense.
Provamos muitos queijos diferentes, tomamos vinhos bons e baratos e descobrimos que ao pedir "une baguette blanche" em qualquer lojinha, têm-se uma boa refeição assegurada.
Foram poucos dias, mas que deixaram uma grande vontade de voltar logo.
C'est ça!

Soup à l'oignon au fromage.


Crépe nordique.


Croque monsieur.

21/12/2009

Jantando ao lado da Rainha


Quem diria eu, plebeu, flamenguista, mal falando inglês, jantei ao lado da Rainha da Inglaterra.

Não foi tão bem ao lado assim, mas do outro lado da rua... Mas isso é o mais ao lado que eu jamais cheguei.

Como parte do programa que fui participar na Inglaterra, eu e Bibi fomos jantar no Harte & Garter, em Windsor, próximo à cidade de Gerrard's Cross. O restaurante (esse aí da foto) ficava do outro lado da rua do castelo de Windsor.



Eram duas estalagens do século XIV que foram restauradas e fundidas com o passar do tempo, tornando-se um dos destinos mais procurados pelos britânicos naquela região. Hotel tradicional, tão tradicional que era onde o William Shakespeare se hospedava enquanto escrevia peças para Elisabeth I. O Garter é citado de fora a fora na comédia "The Merry Wives of Windsor"!

O restaurante era muito mais bonito do que simpático. Foram basicamente dois desafios: 1) me comunicar em inglês quando um delicioso vinho sulafricano era sorvido e minha língua começava a parecer uma parte estranha do corpo; 2) entender como comer com aquele monte de garfos e facas dispostos ao lado da louça. Era tudo muito chique, mas ninguém estava nem aí, todos comeram, beberam e foram felizes naquele dia. A minha Bibi que matou a pau. Falou inglês com fluência digna de um nativo, esbanjou a simpatia que lhe é peculiar e estava linda, linda de morrer!

O mais interessante de tudo é que o hotel não tem um preço proibitivo para os padrões ingleses. Vale a pena conferir o site aqui.

12/12/2009

The Bull

Em Londres ficamos hospedados em nada mais nada menos do que três hotéis em menos de uma semana. Dos três, apenas um vale a tinta das palavras que vos escrevo: o Bull. O hotel é uma construção do século XVI em uma vila chamada Gerrard's Cross entre Londres e Windsor, uma das regiões mais valorizadas da Inglaterra. Lá chegamos depois de viajar de trem de Edimburgo para Londres e pegar mais alguns trens até Gerrard's Cross.

Além de ser nossa primeira incursão pelo interior da Inglaterra, o lugar era interessantíssimo. Bibi e Clarice, que passearam pelos arredores durante o dia enquanto eu estava enfurnado assistindo aula, me disseram porque a região é o que é. Casas de sonho, com aqueles gramados que rememoram a entrada do paraíso; pelas ruas, Mercedez, Porches, mini Coopers e muitos outros carros que nem sabemos o nome, mas que obviamente são chiques. Enfim, lá estávamos nós, tupiniquins em meio a tudo aquilo.

No dia em que chegamos não havia como comer se não no hotel. Pedimos algumas coisinhas.

Bisteca grelhada com cogumelos selvagens, salada e purê de batatas


Galinha tailandesa, curry de limão e arroz aromatizado


Nada muito excepcional em temos de sabores, mas que serviu para matar a fome e rendeu boas fotos para o blog. Vale mesmo a dica do hotel e de Gerrard's Cross. Assim como Paris não é a França, Londres também não resume tudo da Inglaterra.

Aqui o link para o Bull.

11/12/2009

Chocolate quente - de verdade!


Por sorte e para fugir do frio enquanto andavamos pelo charmoso bairro de Notting Hill (aquele do filme...), entramos em uma pequena lojinha para tomar um chocolate quente. Não é que foi o melhor chocolate de nossas vidas!

O nome é Eraclea, uma marca italiana que angaria fãs mundo a fora. Em busca do site da marca, me deparei com uma infinidade de pessoas tentando descobrir onde comprar os tão aclamados saquinhos com o chocolate...

São 32 sabores que vão do extra forte, passando pelo de limão e pinoli, whisky e até banana!
Não deixem de conhecer, cada pacotinho custa 2 euros.
O link está na imagem abaixo.


Castelo de Edimburgo - Lamb Pie

O escocês é um povo curioso. Terra inóspita, fria e montanhosa; povo ameno, agradável, afeito à boa mesa e, principalmente, boa bebida. E por bebida não entenda cervejinha, vinho e esta baitolagem hereditária, congênita ou adquirida. Escocês toma uísque nacional! Traço aqui um paralelo com o mineiro, que é o escocês brasileiro. A comida de ambos é parecida: pesada, substanciosa, temperada. A bebida de ambos é parecida: lá uísque, feito com a melhor água das fontes das Highlands, aqui cachaça, feita com o maior carinho e com a melhor cana das nossas culturas.

Minas Gerais, ao contrário da Escócia, não tem castelos outros que não o do Edmar Moreira (quem ainda se lembra, hein?). Edimburgo, vila medieval que um dia foi, cresceu em torno de um castelo. Este foi erigido num dos pontos mais altos da cidade, com vista panorâmica de tudo em volta, inclusive do mar. O efeito visual lá de cima é fantástico, só mesmo vendo para crer.

Eu, Bibi e Clarice fomos lá conhecer o dito cujo e adoramos. Um dos melhores passeios naquela cidade de sonho. Fora que por ali, pertinho do castelo, há a Scotish Whiskey Experience, uma degustação de uísques nacionais de diferentes origens a preço razoavelmente bom. Não pagamos, pois estávamos racionando a grana.

Bem, voltando ao castelo: o lugar é demais. Todo reformado, com áreas bem preservadas, mas adaptado ao turismo confortável e educativo. A gente deixa um pouco de ser tão ignorante quanto habitualmente somos. O problema maior enquanto fizemos a visita foi o frio. Por o castelo ficar num alto de pirambeira o vento castigava. Como já era final de novembro, quase dezembro, não se tratava de uma brisa gostosa, mas de um vento frio, gélido, cortante e assassino. Lá pelas tantas cansamos e entramos no café do lugar para comer e, principalmente, para nos aquecermos. De tudo que provamos o melhor foi a comida da Bibi, uma Lamb Pie, com deliciosos pedaços de carne de cordeiro embebidos em um molho espesso que lembrava aquele de uma boa stake ale pie.


Não adianta ficar falando demais... Precisam ir lá para ver sobre o que estamos falando...

10/12/2009

The Narrow

Eu não sou um cara metido a besta, quanto mais a minha Bibi. Uma vez que estávamos em Londres, pagando caro para comer porcarias, pois lá o que se come é isso mesmo, resolvemos comer coisa boa sem pagar tão caro assim. Como todo reles plebeu, almejei logo ao estrelado e, na impossibilidade de participar do Big Brother Brasil, fui olhar o preço dos restaurantes desses chefs celebridades. O primeiro foi o do Jamie Oliver. Legal, bacaninha, descolado, mas caro. Depois o do Heston Blumenthal, site lindo, altíssima gastronomia e tão longe de Londres quanto fora do meu orçamento. Por fim olhei o do Gordon Ramsay. Para minha surpresa, achei um negócio um pouco mais caro do que o sanduíche frio e a comida engordurada de rua, mas que dava para ir! Fiz a reserva para três e fomos: eu, Bibi e Clarice.

Há algum tempo atrás esse chef abraçou a idéia dos gastropubs na Inglaterra, que nada mais são que pubs nos quais os clássicos da culinária de botequim inglesa são refeitos com um mínimo de requinte. Em outras palavras: é a mesma comida que estávamos comendo havia dias, só que muito, mas muito bem feita. O Gordon tem três em Londres, escolhi o mais próximo do hotel em que estávamos, o Narrow, e fomos. Era um pub com uma varanda sobre o Tâmisa no leste de Londres, antiga região das docas, nada demais em termos de decocração, tudo muito com cara de pub mesmo, mas tudo de muito bom gosto. Sentamos, mesa sem gordura ou marcas de copo de cerveja, o que é uma vantagem, acreditem, e fomos atendidos por uma amável garçonete polonesa que arranhava algumas palavras em um português que aprendera com uma brasileira com quem trabalhou.

Bi e Clarice foram de cerveja, provando duas ou três do catálogo deles, muito boas segundo me recordo de ambas. Pedimos tudo que podíamos: starters, main course e desert.

Os starters:

Terrine de presunto defumado ao vinho branco com piccalilli e torradas


Cogumelos selvagens com rúcula sobre torrada


Carne seca com maçã cozida, rábano, agrião e torrada de pão de trigo


Main courses:

Steak de veado com blackberry, curry kale e purê de batatas ao molho de vinho do porto


Lombo de porco gratinado, escarola refogada, purê de abóbora e lascas de maçã


Sobremesas:

Torta de chocolate, brandy e ameixas com sorvete de manteiga de amendoim


Tarteletede ruibarbo com ameixas



Amigos, algumas fotos não estão aqui por não terem ficado a altura dos nossos leitores, mas acreditem comemos (bem) mais do que isso! Gostaríamos que cada um de vocês estivesse lá para provar tudo que comemos, pois os sabores são tão indizíveis que se repararem não perdi tempo em tentar descrevê-los. Daquele dia em diante passamos a entender porque esses caras são quem são. Estava tudo uma delícia e esta foi, inquestionavelmente, a cereja do bolo em nossa viagem.

29/11/2009

Sweet Home Alabama


Não voltamos para o Alabama, que não tem nada de home ou de sweet para mim por enquanto, mas nos viramos bem com a nossa boa e velha Juiz de Fora. Semi-cadavéricos, sonâmbulos insones vitimados pelo fuso de poucas e longas horas e estilhaçados pela viagem seguimos em frente.

Preparem-se para as postagens vindouras. Tudo muito caro por lá, mas, já que precisávamos comer mesmo, ao menos comemos (muuuito) bem!

Deixem só a gente descansar até amanhã que a Bibi começa a contar as novidades. Eu vou tentar fazer o mesmo assim que puder, mas ainda estou sem internet direito esta semana e isto talvez justifique minha ausência.

25/11/2009

Shape of things to come


Amigos, estamos um pouco privados de internet aqui em Londres, fato que motiva nossa temporária ausência do blog. Não pensem, no entanto, que esquecemos dele ou de vocês. Estamos por aqui garimpando jóias gastronômicas para todos.

Na foto a cereja do bolo... Explicamos melhor depois, mas por enquanto fica o suspense.

Hoje partimos para Paris e que Deus segure a Bibi!!!

18/11/2009

Fudges


Alguém se lembra daquele doce de leite de losango com duas cores? Muito bem feito pela minha tia Lili... Pois então, os fudges são alguma coisa deste tipo só que com vários sabores, cores e texturas. Em Edinburgo visitamos a Fudge House of Edinburgh e experimentamos três deles: butter bar, triple chocolate e o especial da casa.

Veredito:
1) Clarice - leve, bom, menos doce e que dissolve na boca; 8,5/10.
2) Bianca - 7,5/10, sem comentários adicionais...
3) Guilherme - "Bonitinho, mas ordinário; não gasto nenhum fosfato para comer outro. Para um bom mineiro trata-se de um arremedo de doce de leite."

17/11/2009

Arthur's chair

Nosso almoço no Café do Castelo de Edimburgo.

Edimburgo é uma cidade linda! Muito mais do que eu poderia imaginar. Ela é ladeada por uma cadeia de montanhas, entre elas uma chamada Cadeira do Rei Arthur, aquele da Távola Redonda...
Mas como o objeto deste blog é a comida, vou tentar me ater a isso...
Almoçamos no Café do castelo de Edimburgo, pedimos uma Angus beef pie, uma carne cozida coberta com massa folhada, acompanhada por uma salada de legumes. Era gostosinha, mas um pouco sem pimenta para uma mineira como eu...
À noite resolvemos comer no hotel, compramos sanduíches e um vinho muito gostoso por £7, o Chateau La Borie, que parece custar uma baba no Brasil! Dá vontade de levar uma mala só dele!

Eu no Castelo de Edimburgo

Um abraço,

Bianca

15/11/2009

Edimburgo!!! Here we are!


Finalmente depois de um mês muito cansativo estamos em Edimburgo! Após 28h de viagem de JF até o hotel, o Express by Holiday Inn - City Centre, perto de tudo o que interessa, o castelo, as igrejas, as lojinhas.

Jantamos no Howies, na Waterloo place. Eu e o Gui comemos de entrada um delicioso Scotch broth, uma sopa salgada de aveia, legumes e presunto de cordeiro, parece estranho, mas é gostoso. O meu "main course" foi uma carne de porco com uma fatia fina de chouriço (blood sausage) e puré de batatas com salsa. Uma delícia!
O Gui pediu um cozido de carne com legumes (Angus beef - ou algo parecido...) e a Clarice, minha irmã, uma flat mushrooom salad, cogumelos grelhados sobre uma base de tomates com manjericão e barata doce frita. Enfim, a comida era deliciosa, muito mais do que eu imaginava. Come-se bem na Escócia! E muito!

Prato do Gui - carne cozida com puré assado.

Abraços para todos.
Bi & Gui

P.S.: There's much more to Scotland than just men wearing skirts and whiskey in jars...

09/11/2009

Rumo à São Paulo...de novo!


Caros amigos, mais uma vez venho me desculpar pelo sumiço. Eu sei que isso está ficando frequente...
Nossa mudança já foi para São Paulo e agora estamos os dois impossibilitados de cozinhar.
Na próxima semana embarcamos rumo à Edimburgo, depois Londres e Paris, e eu garanto muitos posts internacionais.
Continuo fotografando o que dá e as receitas se acumulam no computador... mas em breve isso também será resolvido.

Obrigada a todos pela torcida e pela paciência.
Abraço, Bianca

11/10/2009

Fusilli integral com carne caramelada



Ingredientes para duas pessoas:
250g de fusilli integral cozido em água salgada
1cs de açúcar
1c de sobremesa de alecrim
1 fio de azeite
250g de filé cortado em cubos
1 cebola picadinha
2cs de pesto
sal, molho de pimenta e pimenta do reino à gosto

Modo de fazer:
Em uma frigideira anti-aderente espalhe, o açúcar e o alecrim e leve ao fogo para caramelizar.
Acrescente o azeite e depois a carne. Tome cuidado para que os pedaços não fiquem sobrepostos. Assim que estiverem corados, vire-os e aguarde mais alguns minutos. Adicione a cebola e pouco depois, o pesto. Se precisar, coloque uma colher da água do cozimento do macarrão. Tempere com o sal e as pimentas, misture ao macarrão e é só servir!

Dica da Myrna:
Ao preparar a carne, reserve o caldo que ela soltar e adicione antes da cebola... fica ótimo!

29/09/2009

Torta de cebola com alice


Ingredientes

Recheio:
1 cebola roxa picada
3 cebolas brancas
6 filés de anchova
2x de queijo minas meia-cura, ralado
1 punhado de passas
2 ovos
200ml de creme de leite
1/2x de azeite
curry, cominho, noz-moscada e sal à gosto

Massa:
6cs de manteiga ou margarina
3x de farinha de trigo
1cs de açafrão da terra
1cc de cominho
sal e pimenta do reino à gosto
Modo de fazer:
Para a massa, misture a manteiga gelada à farinha com a ponta dos dedos, até formar uma massa que solte das mãos. Adicione os temperos, misture mais um pouco e forre o fundo e as laterais de uma forma de aro removível.
Para o recheio, refogue em azeite as cebolas, o alice e os temperos. Separadamente, misture os ovos batidos ao creme de leite e ao queijo ralado. Cubra a forma com as cebolas, salpique as passas e, por fim, adicione a mistura de ovos. Leve ao forno até corar a superfície da torta.
O recheio simples e os temperos na massa fazem toda a diferença...

28/09/2009

Salada de pêra com gorgonzola


Na semana passada eu e o Gui fomos a um restaurante em Juiz de Fora e comemos de entrada uma deliciosa salada verde com uma bela metade de pêra cozida. Aqui vai a minha versão, muito simplificada, é claro...

Ingredientes:
Para as pêras:
4 pêras não muito maduras
1 pedaço de canela em pau
4 cravos
4 pimentas da jamaica (4 bolinhas mesmo)
2 cardamomos
1 dose de licor de cassis
2 cs de açúcar mascavo
Para a salada:
alface crespa verde e roxa
cubos de gorgonzola
um tantinho de castanha de cajú moída
sal, pimenta, azeite e limão à gosto

Coloque as peras descascadas e cortadas ao meio em uma panela, cubra com água e leve ao fogo.
Adicione a canela, os cravos, a pimenta, o cardamomo, o licor e o açúcar. Cozinhe até que as pêras estejam macias. Sem deixar desmanchar, por favor! Desligue o fogo e deixe-as descansarem por pelo menos duas horas antes de servir.
Eu fiz na véspera e deu certo...

Para montar a salada, rasgue com a mão as alfaces e coloque em recipientes individuais, salpique o gorgonzola picado, coloque uma metade da pêra por pessoa, cubra com um fio de azeite, limão, adicione a castanha, o sal e a pimenta do reino.
Fica linda! E deliciosa também.

26/09/2009

Meat Pie

A receita veio do Modern Classics I, da Donna Hay, o livro favorito da semana...

Ingredientes:
1 receita de massa básica para tortas

Recheio:
2cs de azeite
600g de filé cortados em cubos (ou qualquer outra carne)
3 cebolas grosseiramente picadas
2 dentes de alho fatiados
1cs de massa de tomates
um tantinho de vinho (uma boa desculpa para abrir uma garrafa)
1cs de molho inglês
àgua quente
1cs de amido de milho
sal e pimenta a gosto
1 ovo batido, para pincelar

Modo de fazer:
Doure a carne no azeite, acrescente as cebolas e o alho e refogue mais um pouco. Adicione a massa de tomates, o vinho, o molho inglês e cubra com a água quente. Cozinhe até que a carne esteja macia. O tempo vai depender da carne que você escolher.
Dissolva o amido de milho em um pouco de água e adicione à panela. Espere o caldo engrossar mexendo sempre. Acerte o sal e a pimenta e deixe esfriar antes de rechear as formas.
Eu usei 6 forminhas (ramekins) untadas, mas também pode-se colocar tudo em uma forma só.
Forre o fundo com a massa, coloque o recheio já frio, cubra e pincele com o ovo batido.
Leve ao forno médio até dourar o topo das tortinhas. E pronto!

22/09/2009

Galettes de frutas

Essa foto está guardada há um tempo e não sei porque não foi postada antes.
As galettes são uma boa dica para quem não tem muita paciência ou familiaridade com a cozinha. Na frança, normalmente as galettes são tortas redondas de massa folhada com todos os tipos de recheio.
Eu fiz para um chá do clube do livro que eu e as amigas do trabalho mantemos. Ou não, já que o último encontro foi há um mês...

Ingredientes:
1 caixa de massa folhada de 400g
2 maçãs
1 pêra
açúcar de baunilha para cobrir
canela em pó para decorar

Modo de fazer:
Corte a massa em 3 partes no sentido do comprimento. Se quiser, dobre as bordas para garantir que o caldo das frutas não escorra.
Leve ao forno por 5 minutos.
Fatie as frutas (bem fininho) retirando as sementes e cubra a massa empilhando-as com cuidado. Você pode fazer duas galettes de maçã e uma de pêra, ou mesmo misturar tudo.
Salpique o açúcar e depois a canela. Leve de volta ao forno até que a massa esteja assada e com as bordas douradas.

Dica da Myrna: Bananas também fazem uma galette divina!

Sumiço...

Caros amigos, eu e o Gui estamos completamente sumidos daqui...
E a causa é nobre.
Eu por conta dos quilos a mais que teimam em não me deixar e fazem com que a dieta se estenda mais do que eu gostaria, já o Gui... bem, há três meses ele mora em um flat desprovido de cozinha (!) o que convenhamos, é um grande impedimento.

Mas o fato é que temos algumas receitas guardadas na manga e, por hora, elas serão postadas. Afinal, nem que seja no fim de semana eu tenho que comer!!!

Perdoem-nos pelo sumiço, mas em breve teremos uma "coluna" escrita diretamente da Escócia, Londres, Paris... nos aguardem.

Abraços para todos.

02/09/2009

Triângulos de pimenta e pesto

Ingredientes:
tortillas prontas ou feitas com essa receita aqui. A marca Rap10, da Bimbo é a mais fácil de encontrar.
geléia de pimenta com manga (ou qualquer outra geléia bem picante)
molho pesto

Modo de fazer:
Recheie algumas tortillas com uma camada fina de geléia de pimenta e outras com o pesto.
Dobre ao meio e leve para tostar em uma frigideira anti-aderente. Não precisa untar.
Corte em triângulos e sirva!

25/08/2009

Pudim de pão com geléia


Eu já comentei que tenho problemas com forno? Mais uma vez, só que agora com uma receita ridícula, de tão fácil, eu esfumacei minha casa! Novamente!!! As pessoas chegando para o café e a fumaça pairando no ar, como se debochasse do meu fracasso sem querer ir embora... ou ao menos da confusão que provoco em duas de cada três vezes que uso o forno.

Não encham muito a forma!!!! O pudim cresce, como é de se esperar, e pode derramar.
Ao menos dessa vez meu vizinho não parecia estar em casa para gritar "tá pegando fogo!!!".
Uma outra saída, e que muito me ajudou, foi colocar na grade inferior uma assadeira com água. Desta forma o que cair não encosta no fundo quente do forno e, portanto, não produz fumaça! Pena que eu só lembrei disso depois da confusão armada...

A idéia dessa receita veio de um pudim de geléia de gengibre que a Nigella fez há algum tempo. Aqui vai o link.

Ingredientes:
8 fatias de pão integral (eu usei com frutas secas)
geléia de laranja
manteiga
4 ovos
200g de creme de leite
2x de leite
1x de açúcar
1cc de essência de baunilha
um punhado de passas
4cs de rum

Modo de fazer:

Faça sanduiches usando manteiga, de um lado do pão, e geléia do outro. Corte em triângulos e coloque em uma travessa alternando a posição, uma hora com a ponta do triângulo para baixo, outra para cima. Lembre-se de untar a travessa com manteiga antes de colocar o pão.
Aqueça as pasas com o rum até que absorvam tudo e jogue sobre os sanduiches.
Separadamente, misture o leite, o creme, os ovos e a baunilha e despeje sobre o pão.
Leve ao fogo até que a superfície fique bem dourada. E lembre-se: ele cresce!


Dica da Myrna:
Esse pudim deve ser comido ainda quente e pode ser servido com sorvete ou chantilly.

Creme de alho-poró com champignon


Uma receira rápida, fica pronta em 15 minutos...

Ingredientes para 2 pessoas:
1 generoso fio de azeite
1cs de manteiga
1 alho-poró grande sem a parte muito verde, cortado em rodelas
1 cebola picada
1 cs de farinha de trigo
1x de leite
2x de água
8 champignons em conserva, fatiados
um tiquinho de dedo de moça bem picado
1 ramo de alecrim fresco, picado
2 fatias de queijo minas prensado, cortado em cubos
sal e nóz-moscada à gosto

Modo de fazer:

Em uma panela aqueça o azeite e a manteiga para refogar o alho-poró e a cebola. Quando estiverem quase transparentes, adicione o alecrim e a farinha. Misture por alguns (poucos) minutos e acrescente o leite. Cuidado para que não se formem grumos de farinha!
Acrescente a água, o champignon, a pimenta e deixe cozinhar mais um pouco.
Por fim, verifique o sal, coloque muita nóz-moscada e prepare o prato com o queijo ao fundo. É só servir a sopa quente, que fará com que o queijo derreta....
Fica deliciosa e não demanta muito tempo!

19/08/2009

Polenta de estragão com carne


Fubá é coisa séria para os mineiros. Não se sai usando qualquer tipo impunemente. Fubá de verdade tem que ser de moínho d'água, como nos tempos das avós.
Depois de encontrar um pacote deste raro exemplar, aqui vai uma receita de polenta (um bom angú temperado) com uma cobertura de carne com cebolas.

Ingredientes para 2 pessoas:

Para a polenta:
3cs de fubá (do bom!)
350ml de água ou mais, depende do fubá
1/2 cubo de caldo de galinha
1cs de sobremesa de manteiga
3cs de parmesão ralado
pimenta do reino e estragão seco à gosto

Para a carne:
250g de contra-filé limpo e cortado em tirinhas
sal e alho para temperar
um fio de azeite
1 cebola pequena cortada em cubos
um tantinho de molho inglês

Modo de fazer:
Adicione todos os ingredientes, menos o queijo, na água fria (método mineiro de fazer angú) e misture por muito tempo, até que o fubá fique bem cozidinho. Isso demora. Se for preciso, acrescente mais água. Não deixe a polenta ficar muito dura, ela tem que ser cremosa. Acrescente o queijo ralado e cubra o fundo de um potinho simpático para servir.

Tempere a carne com sal, alho e o fio de azeite. Coloque em uma frigideira anti-aderente para dourar. Adicione a cebola e o molho inglês. Espere que as cebolas fiquem coradas, assim como a carne e cubra a polenta. Decore com folhas de estragão.
Fica delicioso! Opinião que quem esteve de regime nas duas últimas semanas...

15/08/2009

O dia em que fui vencido


Casar é bom por uma série de motivos, mas para quem gosta de comer uma das vantagens é que sempre podemos provar dois pratos diferentes quando vamos a algum lugar. Em outras palavras: a comunhão é de bens e sabores. No meu caso e da Bibi isto é verdade também, só que com uma peculiaridade: sempre que escolhemos os pratos em um restaurante o meu é melhor, pelo menos é o que ela diz, na maioria das vezes com a minha anuência. Acreditamos que isto se deva ao fato de ela ser de dieta, vitimada que é pelos estereótipos de beleza dos dias de hoje.

Uma noite destas, no entanto, eu fui vencido. Perdidos em SP, procurávamos um lugar para comer e demos de cara com o Rockets, uma simpática lanchonete na esquina da Melo Alves com a Alameda Lorena, meio de estilo anos 50, que sempre tivemos vontade de visitar, mas nunca fizemos dela uma oportunidade. Neste dia criamos coragem e fomos. Eu pedi um sanduíche que era muito gostoso, com uma carne suculenta, cebola e o diabo. A Bi pediu um B.B. King, o sanduíche aí da foto. Em resumo: pão bom e quentinho, carne deliciosamente temperada e no ponto ideal, bacon crocante e blue cheese. Um deleite, absolutamente divino! Pela primeira vez em quase 10 anos juntos ela comia algo que ambos concordávamos ser melhor do que o que eu comia.

Até hoje penso no dia em que fui vencido. Fiz da imagem acima minha TV de cachorro, meu pão com ovo. Ainda hei de voltar lá e comer aquele sanduíche...

www.rockets.com.br

14/08/2009

Strawberry forever


Se você nasceu no século XX, nota um certo estranhamento ao ler o título desta postagem. Parece que alguma coisa não está legal, não é? Digo isto porque se acrescentarmos a palavra “fields” entre as duas outras teremos o título de um dos mais importantes hinos do rock, lapidado pelo gênio de Lennon e McCartney. Trata-se de um dos exemplares de uma fase memorialista dos Beatles, que inclui faixas como Penny Lane, nas quais a dupla de autores trazia à tona reminiscências de sua juventude em Liverpool. Strawberry Fields era um orfanato mantido pelo Exército de Salvação que John freqüentou durante sua infância para festas beneficentes ao lado de uma tia.

Esta receita tem um quê disto para mim. Me lembra tardes de maio na varanda de casa depois de algum delicioso almoço feito por mim e pela Bibi. Morangos sempre são gostosos, mas se acompanhados pelos ingredientes certos, ficam melhores ainda. Ah, e parabéns à blogueira pela foto!

Ingredientes:
Morangos frescos e lavados
Creme de leite fresco (1 frasco)
Açúcar aromatizado com baunilha
Açúcar de confeiteiro
Vinagre balsâmico

Modo de preparar:
O que dá trabalho nesta receita é o chantilly. Em um bowl de metal acrescente o creme de leite fresco e o açúcar, adoçando a gosto. Em seguida bata até atingir o ponto certo, que, segundo os especialistas, é aquele em que você pode virar o bowl de cabeça para baixo sem que o chantilly escorra. Na verdade ele só precisa ficar firme o suficiente. Corte os morangos ao meio, polvilhando-os com um pouco de açúcar de confeiteiro e um fio de vinagre balsâmico. Acrescente o chantilly em seguida.

Dica da Myrna:
Já falamos dos vinhos de sobremesa por aqui, mas esta receita em particular clama por eles como um beduíno por água no deserto do Saara. Não somos dados a propaganda, mas nós aqui do Segredos recomendamos o colheita tardia da vinícola Aurora. Brasileiríssimo, da serra gaúcha, pode ser encontrado sem dificuldade em supermercados a preços que variam entre 15 e 20 reais. É tão gostoso que dá vontade de torcer a garrafa quando acaba...

13/08/2009

Hora de aproveitar!


São Paulo é a cidade onde tudo é mais, onde tudo é maior. Os melhores restaurantes, as lojas mais caras, o melhor pastel de feira, o melhor salário, mas também os maiores problemas sociais, as maiores desigualdades e o pior trânsito do planeta. Apesar de todos os pesares, de uma coisa ninguém pode reclamar: da comida. Come-se bem por aqui. Por vezes é preciso pagar mais caro, ter uma culinária mais refinada, mas na esmagadora maioria das vezes come-se bem sem gastar muito.

A SPRW é uma ótima oportunidade que alia bons preços à alta gastronomia de São Paulo. Bons restaurantes com menus fechados e a preços fixos, sempre trazendo novidades tentadoras para o nosso paladar. Hei de confessar que não conheço muitos os restaurantes da lista, mas todos os que visitei foram excepcionais. Em 2009 há um atrativo a mais - trata-se do ano França-Brasil e muitos dos pratos terão inspiração nesta que é considerada a melhor escola culinária do mundo.

Enfim, aproveito para divulgar o evento e sugerir que se alguém estiver por aqui em sua época, aproveite bastante! Quem sabe eu também não consigo provar alguma coisa e posto por aqui?

Reportagem do Estadão - Restaurant Week flerta com a França

Reportagem da Folha - Restaurant Week celebra Ano da França no Brasil no fim de agosto

Site oficial da Restaurant Week 2009.

12/08/2009

Torta folhada de tomates com queijo

Ingredientes:
1 caixa de massa folhada (descongelar com antecedência)
350g de queijos variados (eu usei mussarela e uns pedacinhos de parmesão)
1 tomate fresco picado em cubos
1 cebola cortada em rodelas finas
1 gema de ovo
algumas folhas de manjericão grosseiramente picadas
orégano e pimenta do reino à gosto

Modo de fazer:
Sobre uma assadeira untada, abra a massa dobrando as laterais para que segurem o recheio.
Leve ao forno por 10min.
Cubra com os queijos, o tomate e a cebola. Salpique o orégano e a pimenta. Picele as laterais da torta com a gema de ovo e leve ao forno, novamente, até dourar.
Por fim, acrescente mangericão e aproveite!

07/08/2009

Gol de placa do Segredos...


Caros leitores, como Nelson Rodrigues, inspirador máximo de nossa casa, tornei-me um profeta. Modéstia às favas, sim. Eis o porquê de minha ascenção ao dito posto: matéria do Estadão (melhor jornal de SP, batendo de longe a Folha, mera serviçal da elite) desta quinta última sobre algo que já cantamos em prosa e verso por aqui.

Mais uma vez: uma wok é o que há. Se não tem uma, corrija este pecado insofismável para ontem!

Taí o link: A dama do corpo perfeito.

02/08/2009

Arroz com hortelã e castanhas


Dizem os grandes chefs que a melhor cozinha é a mais simples, aquela encontrada na cozina da casa da gente, sem muita frescura, sem muito requinte, mas com sabores indescritíveis e absolutamente impossíveis de serem reproduzidos no ambiente asséptico e quase industrial da gastronomia comercial. Acho que isto tem um quê de verdade, afinal a cozinha da Cida, que trabalha lá na minha mãe há eras e aprendeu a cozinhar com minha avó, é melhor do que muito que já comi em grandes restaurantes ou mesmo nos botequins mais modestos. O mesmo posso dizer da cozinha das avós da Bibi e da minha. Não sinto falta dos pratos de nenhum restaurante em particular, mas nada como (que me perdoem os puristas) um arroz com feijão, angu, carne moída com molho de tomate e um ovo frito feitos pela Cida. Nada sofisticado, nada blogável, mas inesquecível.

Esta receita da Bibi é uma destas de grande simplicidade porém de sabores sutis e irrepreensíveis. Não tem muito segredo, pois as quantidades não são tão importantes: é tudo uma questão de sensibilidade ou simplesmente de gostar mais de castanhas do que de hortelã!

Ingredientes:
um tanto de arroz já cozido
um punhado de hortelã picado
um outro punhado de castanhas de cajú quebradas com a lateral da faca

Modo de fazer:
Misture tudo!
Eu sei, essa receita foi uma fraude, mas ficou gostoso a tal arroz...

OBS: Outra postagem a quatro mãos... O mérito culinário, no entanto, é exclusivo da Bibi.

30/07/2009

Fettuccine com tinta de lula e Lula recheada com ricota e gorgonzola

Caros amigos, se vocês acompanham de fato o blog tem (olha a norma ortográfica aí, gente!) notado a ausência de minha verborréia. Isto se deve ao meu retorno para SP e ao período sempre desgastante de adaptação a um novo trabalho. Mudar a rotina, arrumar um novo teto, aprender coisas novas, enfim, sempre é difícil recomeçar. Mas não é assim que vivemos, de recomeço em recomeço?

O pior de tudo é que por enquanto estou impossibilitado de cozinhar por aqui. Quando retorno a JF respiro um pouco e meto as mãos na massa, literalmente. Prova disso foi este almoço a quatro mãos que Bibi e eu preparamos. Ela a lula, eu a massa. Um grande abraço aos amigos Patrícia & Giovanni, que nos permitiram comer a melhor massa do mundo!!! Almoço de domingo em grande estilo...

Paciência, leitores. Tenho ainda umas postagens na manga. Tô por aí, meio pedra, meio tijolo, firme igual a um prego na areia... Hora dessas eu apareço de novo (e não demora)!

Ingredientes para a massa:
400g de fettuccine al nero di sépia (esse é difícil encontrar por aqui, mas não impossível...)
1 dente de alho amassado
azeite, sal e pimenta do reino à gosto
um punhado de parmesão ralado
muitas folhas de manjericão

Modo de fazer:
Coloque em uma panela o azeite e o alho até que este doure um pouquinho, acrescente a massa já cozida e em seguida os temperos. Decore com as folhas de manjericão.

Ingredientes para a lula recheada:
250g de ricota
100g de creme de leite
um bom pedaço de gorgonzola picado com as mãos
2cs de queijo ralado
2cs de azeite
sal e pimenta a gosto
4 lulas inteiras e já limpas

Modo de fazer:
Bezunte as lulas com 1cs de azeite e reserve. Misture os outros ingredientes por tempo suficiente para desmanchar os grumos da ricota, só depois acrescente o gorgonzola.
Recheie as lulas fechando um dos lados com um palito, não se empolgue com a quantidade de recheio, ele fica muito bom, mas se colocarmos demais as lulas irão se abrir com o calor. Feche a outra ponta com palito também.
Coloque as lulas em uma assadeira e deixe por 5 minutos em forno quente. Aqueça uma grelha ou frigideira e coloque-as logo ao tirar do forno pra que peguem uma corzinha e fiquem mais apetitosas. Et voilà! Foi o melhor almoço em muito tempo...

Dica da Myrna:
Cuidado com esta massa, hein! Tão boa que basta colocar na água fervendo por no máximo dois minutos e pronto, já está cozida. Parece até massa fresca feita em casa.

OBS: Embora esta postagem tenha sido criada pela Bibi, como a receita, também foi feita a quatro mãos. Um abraço do Guilherme!

28/07/2009

Salada de salsa com gorgonzola


Nessa receita a salsa entra como verdura e não tempero e eu garanto que ela desempenhou bem o papel.

Ingredientes:
1 maço de salsa grosseiramente picado
1 tomate picado em cubos
1 bom pedaço de gorgonzola também picado em cubos
1cs de queijo parmesão ralado
azeite e sal a gosto

Modo de fazer:
Essa não tem mistério, é só juntar tudo com cuidado para não desmanchar o gorgonzola e aproveitar. Acompanha bem um filé mignon suculento...

Pesto de gergelim com manjericão


Experiências com manjericão nunca são em vão. Aqui vai uma que deu certo!

Ingredientes:
1 maço de manjericão fresco
2cs de parmesão ralado
2cs de gergelim
2 dentes de alho
sal e pimenta a gosto
azeite até dar liga

Modo de fazer:
Em um pilão ou um processador, adicione todos os ingredientes e vá batendo (ou socando), o azeite entra aos poucos até dar o ponto certo.
O sabor é inversamente proporcional ao trabalho que dá, ou seja, quase nenhum!

Dica da Myrna:
Esse pesto pode ser servido com torradas, massa e o que mais sua imaginação permitir!

Pernas pro ar


Finalmente as minhas férias estão acabando! Essa frase pode parecer estranha, mas quanto mais à toa eu fico, mais quero ficar... Muito pouco produtivo!
Eu e o Gui andamos sumidos nos últimos dias, mas garanto que a comida foi feita e devidamente registrada.
Estamos de volta com todo o ânimo que se precisa para enfrentar uma cozinha!
Abraços, Bianca

17/07/2009

Saladinha de cenoura



Não existe comida ruim, só mal feita. Essa saladinha quebra qualquer preconceito com os legumes. Possivelmente alguém vai comentar: Que cenoura deliciosa! Acreditem, é possível.

Ingredientes:
2 cenouras picadas em cubinhos
2 fatias grossas de queijo minas frescal, cortado em cubinhos também
um fio de azeite para refogar
1 dente de alho amassado
1cc de açúcar mascavo
1c de sobremesa de alcaparras
sal a gosto (eu não achei preciso por conta do sal das alcaparras, mas...)

Modo de fazer:
Em uma panela, adicione o azeite e o alho e deixe corar um pouquinho. Acrescente as cenouras, o açúcar mascavo e misture bem para que o açúcar derreta. Refogue por apenas 2 minutos, é importante que as cenouras continuem crocantes por dentro.
Coloque as alcaparras, misture e desligue o fogo para só então adicionar o queijo picado.
Sirva em potinhos individuais, essa é uma bela entrada!

14/07/2009

Cocadinha queimada


Ingredientes:
500g de coco ralado (de preferência o de verdade, nada de saquinhos com coco açucarado...)
500g de açúcar
1 lata de leite condensado

Modo de fazer:
Coloque o açucar em uma panela e espere virar uma calda queimada. Nesta fase, não se deve mexer o açúcar, no máximo girar a panela. Acrescente o coco e misture bem até que calda e coco estejam bem unidos. Por fim, despeje a lata de leite condensado e misture até dar pra ver o fundo da panela. Com a ajuda de duas colheres, coloque pequenas porções em uma assadeira forrada com papel manteiga ou untada mesmo.
Tenho que ser sincera, eu errei o ponto, a minha só deu pra comer de colher, o que não fez mal algum...